“Não foi por falta de aviso que o Governo falha na contratação de médicos para o SNS”, diz BE sobre vagas por preencher na Saúde

Pedro Filipe Soares destacou que “o Bloco de Esquerda alertou que as contas do executivo não batiam certo e agora está à vista”. Em causa estão as vagas hospitalares que ficaram por preencher, em medicina geral e familiar foram mais de um quarto entre as 435 cargos existentes.

Mário Cruz/Lusa

O deputado do Bloco de Esquerda (BE), Pedro Filipe Soares comentou esta terça-feira a notícia que dá nota sobre as vagas de contratação de médicos que ficaram por ocupar e sublinhou que o partido tinha alertado o Governo para esta “falha”.

“Não foi por falta de aviso que o Governo falha na contratação de médicos para o SNS [Serviço Nacional de Saúde]. O Bloco de Esquerda alertou que as contas do executivo não batiam certo e agora está à vista. Quem não cuida dos seus profissionais, descuida-se com o SNS e com todos nós”, escreveu Pedro Filipe Soares no Twitter.

Em causa está a notícia do jornal “Público” que revela das 950 vagas que tinham como objetivo reforçar hospitais e saúde pública, apenas 593 se tornaram contratos efetivos até ao momento. Quanto à medicina geral e familiar, mais de um quarto das 435 vagas ficaram por preencher.

O reforço do SNS tem sido um dos aspetos em que os bloquistas têm insistido com o Governo. A 3 de dezembro, a coordenadora do BE, Catarina Martins explicou que o partido se tem abstido “nos decretos do estado de emergência porque consideramos que há medidas que não têm sido tomadas, nomeadamente medidas de reforço do Serviço Nacional de Saúde, medidas de generalização de testagem e medidas de apoio à economia e de apoio social”, no sentido de “contrabalançar as restrições”.

“É, portanto, desta posição crítica que temos tido da forma como o estado de emergência tem faltado nalgumas respostas – reforço do SNS, generalização da testagem, mais apoio económico para contrabalançar as restrições -, mas sabendo também que é preciso controlar a pandemia e que para isso, nalguns momentos, é preciso ter restrições, que temos tido essa votação”, sublinhou Catarina Martins depois de se ter reunido com o Presidente da República.

Relacionadas

Bloco de Esquerda quer ouvir Luís Filipe Vieira e Nuno Vasconcellos na CPI do Novo Banco

Presidente do Benfica e ex-homem-forte da Ongoing serão chamados pelos bloquistas para esclarecer o seu papel nas perdas registadas pela instituição financeira.

“Primeira Pessoa”. “Da resolução à venda, tudo foi mal conduzido no Novo Banco. TAP é importante instrumento de soberania”

Marisa Matias, candidata à Presidência da República apoiada pelo Bloco de Esquerda, foi a convidada da última edição do programa “Primeira Pessoa”, da plataforma multimédia JE TV. A candidata foi instada a comparar a diferença na injeção de milhões de euros no Novo Banco e na TAP.

“A esperança vive no extraordinário caminho da ciência”, diz Catarina Martins sobre vacinação

A líder bloquista frisou, nas redes sociais, que “começou a vacinação contra a Covid. Os profissionais de saúde mais expostos serão os primeiros; cuidar de quem nos cuida. Serão longos meses até que toda a população esteja vacinada”.
Recomendadas

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta segunda-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta segunda-feira.

Chega quer alargar apoio de 125 euros a titulares de rendimentos e prestações sociais

O partido diz que esta é uma medida “cujos custos podem e devem ser acomodados pelas receitas extraordinárias que o Governo vem beneficiando”.

Itália.”É cedo para dizer se vai marcar um período de crise na UE”, diz Rangel sobre vitória de Meloni

O vice-presidente do PSD sublinhou também que o partido Fratelli d’Italia “tem posições xenófobas, tal como os Democratas Suecos”
Comentários