“Não há ninguém acima da lei”, diz Marcelo sobre detenção de João Rendeiro (com áudio)

O Presidente da República considera que a detenção do ex-banqueiro foi um momento importante para a justiça portuguesa e para a confiança dos portugueses nas instituições que mandam.

Marcelo Rebelo de Sousa assumiu que a detenção de João Rendeiro significa que “não há ninguém acima da lei”. O Presidente da República abordou o tema com a imprensa no final do congresso da Associação Nacional de Municípios Portugueses (ANMP) que decorreu este fim de semana em Aveiro.

“Foi um momento importante para a justiça portuguesa, para a confiança dos portugueses na justiça, nas instituições que mandam e na democracia. Mostrou que não há ninguém acima da lei e quando há uma decisão do tribunal que deve ser executada cabe há máquina da justiça fazer tudo para executá-la. Pode haver dificuldades neste mundo global em que se circula, momentos de atraso e obstáculos, mas é função da justiça não desistir. E a justiça portuguesa não desistiu e a Polícia Judiciária não desistiu”, referiu.

Marcelo Rebelo de Sousa discordou de que possa ter existido uma associação entre a detenção de João Rendeiro e pressões sobre o calendário eleitoral.

“É não conhecer o que é uma investigação criminal, as dificuldades que implica quando atravessa as fronteiras de vários países, é não ter a noção de quanto isso implica tantas diligências, processos complicados envolvendo países que são soberanos, com a sua autoridade judiciária e que não se faz de um momento para o outro. Faz-se quando é possível fazer desde que se persista”, afirmou o Presidente da República.

Marcelo Rebelo de Sousa não quis ainda fazer comentários sobre uma possível não extradição de João Rendeiro para Portugal devido ao sistema judicial praticado na África do Sul. “Estamos a falar sobre a soberania de um estado e da sua justiça. Não compete ao Presidente da República portuguesa comentar a justiça de outro estado onde vive uma comunidade imensa de portugueses”, salientou.

Relacionadas

Partidos políticos satisfeitos com detenção de João Rendeiro após três meses de fuga

Iniciativa Liberal, Chega, Bloco de Esquerda e PCP foram os partidos políticos que já se manifestaram após a detenção de João Rendeiro em África do Sul.

Da fuga em setembro à detenção em África do Sul. Nove perguntas e respostas sobre o processo Rendeiro

João Rendeiro admitiu fuga a 28 de setembro e foi detido, a dormir, em África do Sul este sábado, 11 de dezembro.

António Costa deseja que extradição de Rendeiro “seja rápida” e mostra confiança nas instituições nacionais

António Costa indicou que a detenção de Rendeiro “é um sinal de que podemos confiar nas instituições e temos de deixar funcionar as instituições”.
Recomendadas

MAI nega infiltração da extrema-direita nas esquadras da polícia

O ministro da Administração Interna negou hoje que haja “uma infiltração com caráter intencional” de elementos da extrema-direita nas esquadras da polícia em Portugal, como acontece em outros países.

Decisão desfavorável da Câmara de Caminha põe ponto final a centro de exposições

Rui Lages voltou hoje a garantir que “irá a todas as instâncias para reaver o dinheiro que é, por direito, da Câmara Municipal de Caminha”.

Suspeitas de corrupção envolvendo altos quadros do Ministério da Defesa: cinco detidos e 19 arguidos (com áudio)

Em causa estão suspeitas de crimes de corrupção ativa e passiva, peculato, participação económica em negócio, abuso de poder e branqueamento – crimes relacionados com adjudicações da Administração Central a diversas empresas que terão lesado o Estado “em muitos milhares de euros”. Três altos quadros da Defesa estão entre os detidos.
Comentários