“Nunca retirei nenhum benefício pessoal”, garante Vieira da Silva sobre a Raríssimas

O ministro do Trabalho e da Segurança Social garante que não houve nenhum favorecimento à associação Raríssimas. No Parlamento, acaba de assegurar que não existiu, da sua parte e da equipa que o acompanhava, qualquer negligência relativamente à análise de denúncias relativas a esta associação.

Cristina Bernardo

“Não houve qualquer favorecimento a esta associação no modo como este ministério, sob minha responsabilidade, se relacionou com a Raríssimas”. A garantia acaba de ser dada pelo ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social na audição de Vieira da Silva na Comissão de Trabalho e Segurança Social, onde está a dar explicações sobre a polémica em torno da Associação Raríssimas.

O ministro do Trabalho, que foi vice-presidente da assembleia-geral da Raríssimas entre 2013 e 2015, afirma “de forma enfática” que, tendo participado num dos seus órgãos sociais durante dois anos, não retirou “nenhum benefício pessoal”.

O governante está a ser ouvido no Parlamento nesta segunda-feira sobre caso de alegada gestão danosa na Associação Nacional de Doenças Mentais e Raras. Na audição, na Comissão de Trabalho e Segurança Social, que começou perto das 16h00, Vieira da Silva deixa ainda uma terceira garantia: “não considero que tenha havido negligência da minha parte ou do meu gabinete o tratamento das denúncias que chegaram”.

Sobre a eventual incúria no tratamento destas denúncias, Vieira da Silva explica que o que chegou ao seu gabinete “não foi uma denúncia sobre gestão danosa desta instituição na linha dos factos denunciados num programa da TVI”. O governante dá conta que as denúncias em causa prendiam-se com “irregularidades estatutárias” que foram comunicadas pelo ex-tesoureiro da Associação Raríssimas, Jorge Nunes.

“A 6 de Outubro, enviou um email para o meu gabinete, que enviei  para o secretário de Estado, e que em novembro foi remetido para o Instituto de Segurança Social. Estas denúncias prendem-se com irregularidades de natureza estatutária, nomeadamente a manutenção daquele responsável como tesoureiro da instituição quando já tinha saído da Raríssimas”, explicou o governante na audição que foi marcada depois de o PS e o PSD terem pedido a presença do ministro no parlamento.

Após a demissão do secretário de Estado da Saúde, Manuel Delgado, PSD e CDS acusaram o ministro de ter falhado na fiscalização desta associação. As primeiras perguntas com que o governante vai ser confrontado deverão incidir sobre as denúncias que chegaram ao ministério relacionadas com a Raríssimas.

O PSD quer saber “desde quando tem o governo conhecimento das denúncias”, tendo já acusado o executivo de ter de ter falhado “na ação de fiscalização que lhe compete” Os sociais-democratas  querem ainda saber que “medidas foram tomadas pelo ministério e em que data”.

O CDS também já lançou várias questões sobre a atuação do governo neste caso. Num requerimento que enviaram ao ministro do Trabalho e Segurança Social, os centristas questionam Vieira da Silva sobre “quantas denúncias sobre a gestão da Raríssimas recebeu” e “quando e de que modo foi feito o primeiro ato inspetivo/ fiscalizador”. A presidente do partido, Assunção Cristas, já defendeu que é preciso apurar se o governante foi “conivente com aquela atuação”.

 

Relacionadas

Vieira da Silva: Segurança Social abriu processo à Raríssimas em julho

“A investigação é da competência do Ministério Público e quando o Ministério Público está a investigar, os serviços do ministério não estão em competição”, afirmou Vieira da Silva, no Parlamento.

Respostas rápidas: As questões a que Vieira da Silva terá de responder sobre a Raríssimas

Vieira da Silva é ouvido hoje no Parlamento sobre ligações à Raríssimas. Audição surge depois de declarações de Paula Brito e Costa que dão conta de um ‘incentivo’ de meio milhão aprovado em 2007 pelo ministro.

Raríssimas: Costa poderá pôr Pedro Marques no lugar de Vieira da Silva

O CM escreve que entre os membros do Governo não está excluída a hipótese de Vieira da Silva se ver forçado a abandonar o cargo de ministro da Segurança Social devido às ligações à Raríssimas.

Raríssimas: António Costa sem “nenhum indício” de favorecimento político

O primeiro-ministro escusou-se hoje a comentar, em Bruxelas, suspeitas sobre um eventual favorecimento político na atribuição de subsídios à Raríssimas, uma IPSS (Instituição Particular de Solidariedade Social, alegando não ter “nenhum indício” nesse sentido.

Raríssimas: há seis denúncias de irregularidades à tutela de Vieira da Silva (que não tiveram resposta)

Duas novas reclamações foram enviadas à Autoridade para as Condições do Trabalho (Ministério da Segurança Social) e ao Instituto do Emprego e Formação Profissional (Ministério da Economia), revela a TVI.

Raríssimas: Vieira da Silva “absolutamente tranquilo” com a sua atuação

O ministro do Trabalho, da Solidariedade e da Segurança Social disse hoje estar “absolutamente tranquilo” com o seu comportamento e com a atuação do Ministério no processo da Raríssimas, prometendo dar todas as explicações na segunda-feira no parlamento.
Recomendadas

Governo quer prolongar Programa Regressar e aumentar o benefício do IRS Jovem

O Governo quer prolongar o regime fiscal associado ao programa Regressar e aumentar o benefício anual do IRS Jovem, segundo a proposta do acordo de rendimentos e competitividade que está a ser hoje discutida na Concertação Social.

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta quarta-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta quarta-feira.

Um novo ritmo para a transição climática? Assista amanhã à JE Talks

Esta semana, nas JE Talks, olhamos para o tema da transição climática para perceber como a atual conjuntura macroeconómica está a obrigar os players a reajustarem prioridades e ritmos de trabalho – e também como a crise energética vai obrigar a repensar estratégias nacionais e internacionais. Assista na quinta-feira, 29 de setembro, às 15h00.
Comentários