Nova estirpe de Covid-19 pode já ter sido detetada em vários países europeus, admite especialista

O professor de fármaco-epidemiologia da Universidade de Oxford, Prieto-Alhambra, em entrevista à rádio RAC1, explicou que há um mês que se fala no meio científico sobre uma possível mutação do vírus, que agora seria mais contagiosa, alteração essa que teria sido detetada em vários países europeus.

A nova variante do coronavírus detetada no Reino Unido pode já ter infetado cidadãos de vários países europeus, afirmou hoje o professor de fármaco-epidemiologia da Universidade de Oxford Daniel Prieto-Alhambra.

Cerca de 20 milhões de pessoas estão confinadas desde hoje em Londres e respetiva região metropolitana, devido ao aumento de infeções com covid-19, aparentemente devido à mutação que torna o vírus mais contagioso, situação que o Reino Unido já comunicou à Organização Mundial de Saúde (OMS).

Na sequência desta questão, a ministra da Saúde da Generalitat, o governo da Catalunha, Alba Vergés, partilhou um ‘tweet’ em que pede ao Governo que proíba as ligações aéreas com o Reino Unido.

“Vários países europeus estão a proibir viagens para o Reino Unido. O governo espanhol deve agir já para proteger os cidadãos relativamente à incerteza existente”, escreveu na sua conta de Twitter.

Prieto-Alhambra, em entrevista à rádio RAC1, explicou que há um mês que se fala no meio científico sobre uma possível mutação do vírus, que agora seria mais contagiosa, alteração essa que teria sido detetada em vários países europeus.

O especialista considera que ainda é muito cedo para perceber se esta mutação é a causa do aumento repentino de casos em Londres, Alemanha, Itália ou Espanha, embora tenha avançado que é quase certo que já está presente em vários países europeus.

Prieto-Alhambra, também membro do conselho de peritos que assessora a Agência Europeia de Medicamentos sobre as novas vacinas contra o vírus, explicou que os primeiros indícios sugerem que a alteração ocorreu na proteína S do vírus, o que lhe permite adaptar-se melhor e, consequentemente, ser mais contagioso.

Se as pesquisas confirmarem esse facto, Prieto-Alhambra defende que será necessário vacinar mais pessoas do que as previstas para alcançar a chamada imunidade de grupo.

Por outro lado, destacou, se já houver mais infetados, embora assintomáticos, do que os estudos agora indicam, “estão a ser desperdiçadas vacinas” com pessoas já infetadas.

Prieto-Alhambra prognostica que, em todo caso, não será possível afirmar que a pandemia estará controlada dentro de meio ano e pediu que todas as pessoas sejam vacinadas. “É mais certo obter imunidade sendo vacinado do que infetado”, acrescentou.

Defendeu também que a vacinação comece pelos idosos e trabalhadores de setores essenciais, especialmente do setor da saúde, porque daí resultarão menos internamentos devido à covid-19 e a diminuição dos óbitos.

Relativamente à vacina russa, o professor catedrático lamentou “o problema de transparência” com que foi desenvolvida, o que torna difícil saber “se se fizeram atalhos”, o que não aconteceu com as restantes.

Relacionadas

Portugal não identificou ainda a nova estirpe do Reino Unido, revela Instituto Ricardo Jorge

Em declarações à Lusa, fonte do gabinete de imprensa do INSA recordou que o “estudo tem como objetivo principal determinar os perfis mutacionais do SARS-CoV-2 para identificação e monitorização de cadeias de transmissão do novo coronavírus, bem como identificação de novas introduções do vírus em Portugal”.

O que se sabe da nova estirpe de coronavírus que prolifera no sul do Reino Unido

Apesar de não parecer causar uma infeção mais grave do que o coronavírus mais comum na Europa, existem também fortes indícios de que o contágio será efetivamente mais rápido, dada a alteração nas espigas que compõem a estrutura exterior do organismo infecioso. Os responsáveis das farmacêuticas responsáveis pelas vacinas já submetidas para aprovação dizem-se confiantes que as alterações não afetem a eficácia das inoculações.

Nova estirpe de Covid-19: Itália, Bélgica e Países Baixos já ‘fecharam’ fronteiras ao Reino Unido

Os Países Baixos e a Bélgica foram alguns dos países a avançar com restrições ao Reino Unido, depois do surgimento de uma nova variante do coronavírus que pode ser 70% mais contagiante, como admitiu Boris Johnson, primeiro-ministro britânico.

Nova estirpe de Covid-19 obriga a reunião entre Paris, Berlim e União Europeia

Segundo um comunicado da Presidência francesa, a reunião contou com a participação do chefe de Estado da França, Emmanuel Macron, da chanceler da Alemanha, Angela Merkel e da presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, sem que tenham sido ainda anunciados resultados.
Recomendadas

Inovação e aposta no digital para competir no mercado estrangeiro

Especialistas defendem que os processos empresariais devem ser cada vez mais incorporados com meios tecnológicos, ao mesmo tempo que destacam a importância de conseguir atrair e reter talento. Por Rodolfo Alexandre Reis

Pandemia custou ao Estado português 3.302,7 milhões de euros até outubro

No período homólogo, a pandemia de covid-19 tinha custado 6.247,9 milhões de euros ao Estado, segundo foi então divulgado pela Direção-Geral do Orçamento.

OE2023: Ministro Pedro Nuno Santos traça linha de demarcação entre socialistas e direita

O ministro das Infraestruturas e da Habitação traçou hoje uma linha de demarcação entre socialistas e direita em torno das opções políticas, acentuando uma ideia de “liberdade igual para todos” em contraponto à “desregulação e competição”.
Comentários