Novas regras do teletrabalho entram em vigor a 1 de janeiro (com áudio)

Entre as medidas impostas pela lei está o dever de o empregador se abster de contactar o trabalhador fora do seu horário de trabalho, ou seja, no período de descanso. 

A lei do teletrabalho entra em vigor a 1 de janeiro. O diploma foi publicado esta segunda-feira em Diário da República e já tinha sido promulgado pelo Presidente da República.

Desta forma, as novas regras chegam a tempo da semana de teletrabalho obrigatória imposta pelo Governo de António Costa, como medida para prevenir um aumento de infeções após os ajuntamentos no Natal e Ano Novo.

Entre as medidas impostas pela lei está o dever de o empregador se abster de contactar o trabalhador fora do seu horário de trabalho, ou seja, no período de descanso.

Esta lei clarifica ainda a obrigação do empregador pagar as despesas relacionadas com o teletrabalho, estando previsto que o empregador tem de compensar “todas as despesas adicionais que, comprovadamente, o trabalhador suporte como direta consequência da aquisição ou uso dos equipamentos e sistemas informáticos ou telemáticos necessários à realização do trabalho, incluindo os acréscimos de custos de energia e da rede instalada no local de trabalho em condições de velocidade compatível com as necessidades de comunicação de serviço, assim como os custos de manutenção dos equipamentos e sistemas”.

O diploma que entra em vigor no próximo mês declara que o teletrabalho tem de existir sempre com acordo escrito e que pode constar no inicial ou ser autónomo. Caso o mesmo seja proposto pelo empregador, o funcionário pode opor-se e recusar-se a justificar a sua decisão.

Recomendadas

Evite o desperdício neste Natal. Conheça algumas dicas para um Natal mais sustentável e económico

Quanto aos embrulhos, os enfeites dos presentes, sugerimos que não rasgue o papel de embrulho e experimente estimá-lo e guardá-lo. Já pensou em optar por papel de jornais ou revistas para os embrulhos? Original e divertido.

Europ Assistance e Club Tek lançam seguro contra danos e roubo de telemóveis, tablets e computadores

A seguradora garante a reparação do equipamento em caso de danos acidentais (elétricos, danos por água, quebra de teclas, danos no ecrã). Se a reparação não for possível, o cliente tem direito à substituição do equipamento por outro novo com as mesmas características.

Sabia que as dívidas também prescrevem? Saiba mais sobre estes prazos

Relembramos que existem exceções na lei que podem alterar algum destes prazos. Por isso, o melhor será sempre o consumidor contactar primeiramente entidades que o possam ajudar e não deixar arrastar a situação. 
Comentários