Novo Banco: Tribunal de Contas entrega auditoria sobre gestão até início de junho

O responsável do TdC recordou que na anterior legislatura a Assembleia da República solicitou à instituição uma auditoria sobre o Novo Banco, entregue em maio, garantindo que a nova auditoria será remetida em breve.

O presidente do Tribunal de Contas disse hoje que a instituição irá entregar ao parlamento até ao início de junho a auditoria ao Novo Banco, que incidirá sobre a gestão da instituição financeira com o financiamento público.

“Dentro de muitíssimo em breve, eu diria no final deste mês, princípio do próximo teremos aprovado o segundo relatório que enviaremos à Assembleia [da República] sobre o Novo Banco”, anunciou o presidente do Tribunal de Contas (TdC), José Tavares, numa audição na Comissão de Orçamento e Finanças, no âmbito da apreciação da proposta do Orçamento do Estado para 2022.

O responsável do TdC recordou que na anterior legislatura a Assembleia da República solicitou à instituição uma auditoria sobre o Novo Banco, entregue em maio, garantindo que a nova auditoria será remetida em breve.

“O primeiro relatório incidiu sobre o financiamento público do Novo Banco, o segundo relatório incidirá sobre a gestão do Novo Banco com o financiamento público”, explicou.

Em maio do ano passado, o TdC aprovou o Relatório da Auditoria ao financiamento público do Novo Banco, na sequência do pedido formulado pela Assembleia da República.

O organismo considerou que “não foi apresentada a demonstração do cálculo do défice de capital” do Novo Banco, que “o Fundo de Resolução tem o dever de exigir”, segundo a auditoria divulgada.

Em outra das conclusões, o relatório deu conta de que “não tem sido devidamente cumprida a obrigação do Novo Banco reportar a informação sobre a execução do Acordo de Capitalização Contingente, por falta de formalização do acordo sobre a forma e substância do suporte dessa informação e pelo atraso de preparação desse suporte pelo Novo Banco (face ao prazo contratual de trinta dias), alegando depender de contas auditadas”.

Para o TdC, apesar do financiamento público do Novo Banco ter concorrido “para a estabilidade do sistema financeiro, sobretudo por ter sido evitada a liquidação do banco e reduzido o risco sistémico”, “não foi minimizado o seu impacto na sustentabilidade das finanças públicas nem reduzido o risco moral”.

A entidade presidida por José Tavares salientou ainda que “faltou transparência na comunicação do impacto da resolução do Banco Espírito Santo e da venda do Novo Banco na sustentabilidade das finanças públicas”.

Recomendadas

Moody’s coloca em revisão para melhoria o rating das obrigações hipotecárias cobertas do Novobanco

A classificação de hoje da Moody’s é colocada em revisão para atualização. Esta revisão está sujeita ao esclarecimento do emitente sobre o compromisso de sobrecolateralização na sequência da implementação da nova lei portuguesa de obrigações cobertas, que entra em vigor em julho, e que elimina qualquer requisito de sobrecolateralização para futuras emissões ao abrigo da nova lei.

Moody’s. Subida rápida dos juros impulsionada pela inflação será “faca de dois gumes” para os bancos

“Se os bancos centrais não aumentarem as taxas de juro, a qualidade dos ativos dos bancos permanecerá forte e os custos do risco de crédito baixos, com uma procura de empréstimos mais robusta. No entanto, a receita da margem financeira não subirá e, em última análise, uma inflação mais elevada poderá levar os bancos centrais a um ciclo de aperto mais súbito e prejudicial mais tarde”, alerta a agência de rating.

Dificuldades no acesso a capital travam empreendedorismo em Portugal

De acordo com um estudo da Fundação Francisco Manuel dos Santos, “as restrições financeiras dificultam principalmente o tipo de empreendedorismo de alto potencial que impulsiona a criação de empregos e o crescimento económico”.
Comentários