Novo Banco vê “oportunidade única” de crescer na Madeira

Novo Banco aposta no turismo e acredita que o facto de o Banif ter sido absorvido pelo Santander, que tem o centro de decisão em Espanha, abre uma oportunidade rara de conquistar clientes na Madeira.

Cristina Bernardo

O Novo Banco na Madeira conta com uma rede de 12 balcões, uma direção regional de empresas composta por cinco gestores e 85 funcionários, entre retalho e empresas, e com um movimento financeiro que atinge os 1,6 mil milhões de euros. O turismo é uma área prioritária para a instituição bancária na Região Autónoma, destacou o CEO, António Ramalho, em entrevista exclusiva ao Económico Madeira.

“A Madeira é uma região que tem uma ‘clusterização’ muito baseada nas suas vantagens competitivas. E visivelmente há uma grande vantagem competitiva no seu turismo e nos segmentos que decorrem da atividade turística que são vários sub-segmentos como o alojamento local, o turismo de restauração, turismo de iniciativa e de aventura, turismo da cultura, imobiliário e reestruturação e reabilitação hoteleira”, disse o CEO do Novo Banco, sobre alguns dos objetivos da instituição para o mercado madeirense.

António Ramalho definiu estas áreas ligadas ao turismo como sendo “prioritárias” para o Novo Banco, apesar de ressalvar que o banco se quer “manter fiel à sua tradição de apoiar tudo o que seja atividade de serviços e de exportação” em que se insere a exportação ligada aos “tradicionais produtos da Madeira que têm características muito próprias” e ainda a “outros produtos que vão ganhando dimensão” no empreendedorismo.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor.

Relacionadas

Dívida de 6,5 mil milhões euros ao BCE vai obrigar Novo Banco a ir ao mercado, alerta Moody’s

O relatório salientou também que “o banco ainda não divulgou publicamente a sua estratégia de refinanciamento do BCE”, mas tendo em conta o rácio de cobertura de liquidez (LCR) da instituição “de 138%, terá que recorrer aos mercados para substituir os fundos TLTRO”.

António Ramalho: “Vamos duplicar a redução de malparado até ao fim do ano”

O Novo Banco “tem um legado que está a ser resolvido”, diz o CEO a propósito do prejuízo de 419,6 milhões no 3º trimestre. O banco reduziu até setembro 1,6 mil milhões o malparado, mas “o banco vai vender até ao fim do ano uma carteira de 1,7 mil milhões de euros de crédito NPL, pelo que vamos dobrar a redução de malparado até ao fim do ano”, disse António Ramalho.
Recomendadas

Funchal: PAN critica “tiques de absolutismo” de PSD e CDS-PP

O partido diz que o Orçamento Municipal do Funchal, que foi aprovado na Assembleia Municipal, permite concluir que estamos perante uma vereação “sem rasgo, sem ideias, conduzida por um presidente de Câmara, Pedro Calado, cuja capacidade de resolução de problemas já é considerada, por um número crescente e cada vez maior de habitantes do Funchal, como uma desilusão”.

Madeira lança campanha para promover literacia na saúde

Entre os temas abordados estarão: a alimentação saudável, a promoção da atividade física, a prevenção de acidentes em diferentes idades e contextos, a saúde mental ao longo da vida, a prevenção de consumos de substâncias psicoativas, a prevenção de consumos de álcool e tabaco, o sono e o repouso recomendados e o uso adequado da medicação.

Asseco PST e LOQR estabelecem parceria para reforçar ligação à lusofonia

Com esta parceria as empresas pretendem auxiliar as instituições financeiras no seu processo de aceleração digital.
Comentários