Novo crédito ao consumo cai 19% em abril

Em termos globais o crédito ao consumo em abril caiu 19,4% para 573,340 milhões de euros. No entanto, face a abril de 2021 ainda se regista uma subida de 6,2%.

Há vários pormenores embutidos nas notas que permitem a sua validação.

O Banco de Portugal publicou a evolução dos novos créditos aos consumidores relativo a abril de 2022. Nela se pode ver que, ao contrário do que até aqui, em abril o crédito ao consumo caiu em todas as vertentes. No crédito pessoal caiu 23,8% para 272 milhões de euros; o crédito automóvel recuou 12,8% para 206 milhões e o crédito através de cartões e descobertos bancários autorizados desceu 19,2% para 96 milhões de euros.

Em termos de montante a maior descida mensal deu-se na locação financeira ou ALD de carros novos (-42,4%); seguida da queda da locação financeira ou ALD de carros usados (-31,2%). Na comparação anual a queda nestas modalidades de crédito é ainda maior. O montante de crédito através de ALD de carros novos recuou 54,1%. Já o valor no ALD de carros usados caiu 61,4% face a abril de 2021.

Os novos créditos sem finalidade específica caíram 24,2% em abril, mas continuam 18,5% acima do valor concedido em abril do ano passado.

Em termos globais o crédito ao consumo em abril caiu 19,4% para 573,340 milhões de euros. No entanto, face a abril de 2021 ainda se regista uma subida de 6,2%.

O número de contratos de crédito também caiu. No crédito pessoal recuou 22,3% para 38.499 contratos; No crédito automóvel foram celebrados 14.053 contratos, o que traduz uma queda de 13,6% face a março. Também no crédito por cartões e descoberto, houve um recuo no número de novos créditos aos consumidores, de 17,8% para 67.979 contratos.

Ao todo em abril celebraram-se 120.531 novos contratos de crédito ao consumo, ou seja, menos 18,8% do que em março, mas ainda 4% acima dos celebrados em abril de 2021.

Recomendadas

BCP entregou 1,16 milhões de euros em ações aos administradores executivos e diretores

Miguel Maya recebeu 1.218.162 ações do BCP, o que, tendo em conta o valor das ações a 24 de junho, de 0,1775 euros, perfaz um total de 216,2 mil euros de remuneração variável atribuída ao CEO. Miguel Bragança, CFO e vice-presidente do banco, recebeu em ações do BCP, a título de remuneração variável, 962.486 ações equivalente a 171 mil euros. O outro vice-presidente, João Nuno Palma, recebeu 937.685 ações, ou 166,5 mil euros.

Montepio. Tomás Correia diz que nunca houve alerta de risco no investimento na PT

O antigo presidente do Montepio, Tomás Correia, disse esta segunda-feira ao Tribunal da Concorrência que nunca houve qualquer indicação de risco na compra de obrigações relacionadas com a PT e que não passou por si a autorização da operação.

BPI e FPF renovam parceria e alargam apoio ao futebol feminino

A Federação Portuguesa de Futebol (FPF) e o BPI anunciaram a renovação da parceria até 2024, tendo a assinatura do novo acordo ocorrido esta segunda-feira na Cidade do Futebol.
Comentários