Novo modelo da Autoeuropa empurra produção automóvel em Portugal

Produção automóvel evoluiu 70,9% em novembro e o novo modelo da Autoeuropa impulsionou o forte crescimento.

Luis Viegas

O novo modelo T-Trock a ser produzido na fábrica da Autoeuropa impulsionou o forte crescimento da produção automóvel em Novembro em Portugal, na ordem dos 70,9% em relação ao mês homólogo no ano anterior.

De acordo com a Associação do Comércio Automóvel de Portugal (ACAP), os dados do mês de Novembro confirmam “a importância das exportações para o setor automóvel”, com 96,5% dos veículos fabricados no país a serem vendidos no estrangeiro.

A Europa é o principal mercado destas exportações, com a Alemanha (21,3%) a ser o país que recebe o maior número de automóveis fabricados em portugal, seguido da Espanha (13,6%), França (11,6%) e Reino Unido (10,7%). O mercado chinês também é bastante significativo, representando 9,6% das exportações de carros portugueses.

A ACAP, no seu comunicado, nota também que a quantidade de automóveis produzidos em Portugal foi, em novembro, maior que a de carros adquiridos no país (quer produzidos em Portugal quer no estrangeiro).

Recomendadas

Ministra sinaliza que trabalhadores que recebem salário mínimo não terão perda de poder de compra em 2023

Vem aí uma “negociação intensa”, antecipou a ministra do Trabalho, à saída da reunião em que apresentou aos parceiros sociais as propostas do Governo para o acordo de rendimentos. Entre elas, está a vontade que o salário mínimo suba mais do que a inflação.

Fenadegas pede apoio para adegas cooperativas e produtores de vinho

A Fenadegas diz que “contrariamente às expetativas criadas, nas medidas anunciadas pelo governo para colmatar os efeitos negativos desta crise, não foi previsto nenhum apoio específico para os produtores de vinho e suas unidades de vinificação”.

Goldman Sachs prevê queda de 1% do PIB da zona euro até ao segundo trimestre

“Os sectores químico e automóvel da Alemanha confirmam que o ritmo de paralisações por causa do aumento dos custos de energia provavelmente acelerará”, reforçam os economistas do Goldman Sachs.
Comentários