Nuclear de nova geração precisa de 500 mil milhões de investimento até 2050, diz comissário europeu

Em entrevista ao Le Journal De Dimanche, o comissário europeu para o mercado interno, o francês Thierry Breton, considera “crucial” abrir a rotulagem verde ao nuclear.

As centrais nucleares europeias de nova geração precisarão de um investimento de “500 mil milhões de euros até 2050”, estima o comissário europeu para o mercado interno, que considera “crucial” abrir a rotulagem verde ao nuclear, no quadro da transição energética.

“As centrais nucleares existentes, apenas estas, precisarão de 50 mil milhões de euros de investimento até 2030. E 500 mil milhões até 2050 para as de nova geração!”, afirma o comissário francês Thierry Breton, em entrevista ao Le Journal Du Dimanche (JDD).

Em 31 de dezembro, a Comissão Europeia apresentou um projeto de rotulagem verde para as centrais nucleares e a gás, que visa facilitar o financiamento de instalações que contribuam para a luta contra as alterações climáticas.

Esta classificação, ou “taxonomia”, define os domínios de investimento que beneficiam de rotulagem verde.

O objetivo europeu de neutralidade carbónica em 2050 implica a mobilização de investimentos colossais: a classificação em causa é conhecida por permitir a obtenção de financiamentos em condições favoráveis.

Para Thierry Breton, a inclusão do nuclear nesta classificação é “crucial para permitir ao setor atrair todos os capitais necessários”.

“A transição ecológica implica uma revolução industrial de uma amplitude inédita. Além de uma corrida aos capitais entre as diferentes fontes energéticas – as energias renováveis deverão, por exemplo, mobilizar elas próprias 65 mil milhões de euros de investimentos por ano. E a esses será necessário acrescentar 45 mil milhões de investimento anual para se dotarem as infraestruturas de redes complementares”, estima.

Quando 26% da eletricidade produzida na União Europeia (UE) é hoje de origem atómica, o comissário estima que o nuclear “represente pelo menos 15% do cabaz (de mix energético) em 2050”.

O assunto tem sido alvo de vivos debates entre os 27, com uma dezena de países – França à cabeça – a fazerem a promoção ativa do nuclear face a estados muito reticentes à atómica civil, como a Alemanha e a Áustria.

A Comissão Europeia enviou uma proposta de texto aos estados membros, debatida durante de meses e ainda provisória, em 31 de dezembro.

No texto, fixam-se as condições, nomeadamente uma limitação de tempo para a construção de novas centrais atómicas. Os projetos deverão ainda obter permissão de construção antes de 2045.

Recomendadas

PremiumReunião “de paz” com a tutela não trava guerra com pilotos da TAP

Sindicato dos pilotos cancelou plenário polémico, após recusa da TAP. Pedro Nuno Santos tentou pacificar ímpetos grevistas, mas cenário de paralisação continua em cima da mesa.

Governo obriga gestores do Banco de Fomento a declarar rendimentos no TC

Fonte oficial do Ministério da Economia e do Mar esclarece ao Público que “mantêm-se em relação aos administradores as obrigações declarativas e, consequentemente, a entrega da declaração de rendimentos no Tribunal Constitucional”.

PremiumEndiama lança-se na refinação de ouro para ser ‘player’ de peso

O Grupo Endiama, através da Geoangol, vai avançar com a construção da Refinaria de Ouro de Luanda, localizada no Polo Industrial de Viana. Na próxima segunda-feira, 27 de junho, o ministro dos Recursos Minerais, Petróleo e Gás, Diamantino Azevedo, apresentará este projeto.
Comentários