Número 2 da Casa Branca pressiona Trump a carregar nos impostos sobre os mais ricos

Steve Bannon defende uma nova taxa de imposto marginal máxima de 44% sobre as famílias mais abastadas. Atualmente a taxa máxima de impostos fixa-se nos 39,6%, o que faz desta proposta o valor mais alto dos últimos trinta anos.

O principal conselheiro da Casa Branca, Steve Bannon, está a pressionar o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, a adotar uma nova taxa de imposto marginal máxima de 44% para os americanos que ganham mais de 5 milhões de dólares (4,2 milhões de euros) por ano. Donald Trump garantiu que está focado em fazer reformas tributárias e que se houver revisão da taxa de impostos esta será “ascendente” e aplicar-se-á à classe alta.

Aumentar impostos sobre os cidadãos mais ricos tem sido uma política rara do presidente Donald Trump, mas a história da 45º presidência dos Estados Unidos parece estar prestes a mudar. Numa entrevista ao jornal norte-americano ‘Wall Street Journal’, na passada terça-feira, o multimilionário afirmou estar a ponderar uma mexida nas tributações de impostos para beneficiar a classe média, podendo estar incidir sobretudo sobre as famílias com maiores rendimentos.

Sem avançar com medidas concretas, a porta-voz da Casa Branca, Sarah Huckabee Sanders, remeteu mais esclarecimentos do presidente para “breve”. Ora nos bastidores da Casa Branca, o principal conselheiro do presidente já lhe fez chegar a sua opinião sobre esta matéria, pedindo um aumento dos impostos sobre os mais ricos na ordem dos 44%. Atualmente a taxa máxima de impostos fixa-se nos 39,6%, o que faz do aumento que Steve Bannon quer ver aplicado o mais alto dos últimos trinta anos.

No entanto, no Senado, a maioria dos republicanos têm-se manifestado em defesa não de um aumento mas sim de uma diminuição dos impostos às famílias norte-americanas, o que pode fazer com que a medida não encontre terreno favorável à sua implementação. Já entre a ala democrata, a medida é bem-vinda. Durante a campanha presidencial de 2016, a candidata democrata, Hillary Clinton, defendia a implementação de uma sobretaxa de 4% sobre os rendimentos dos mais ricos, para garantir que a classe alta paga efetivamente mais do que as restantes.

Dados da Autoridade Tributária norte-americana mostram que cerca de 43 mil pessoas apresentaram em 2014 declarações de rendimentos superiores a 5 milhões de dólares (4,2 milhões de euros) anuais, representando 8,8% dos impostos pagos. Com o aumento da taxa proposta por Steve Bannon, o Governo norte-americano beneficiaria de cerca de 18 mil milhões de dólares (15,4 mil milhões de euros).

Recomendadas

Erdogan sugere que pode aprovar candidatura da Finlândia à NATO

O presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, sugeriu este domingo que a Turquia pode aprovar a candidatura da Finlândia à NATO sem fazer o mesmo em relação à Suécia.

Israel prepara-se para demolir casa de atacante palestiniano

As forças israelitas selaram este domingo a casa da família de um palestiniano que matou sete pessoas, preparando a sua demolição, após o governo ter anunciado medidas para punir familiares dos autores de atentados.

Ucrânia: Secretário-geral da NATO defende mundo “interligado” pela segurança

O secretário-geral da NATO, Jens Stoltenberg, disse que o apoio da Coreia do Norte à Rússia na guerra da Ucrânia reforça a necessidade de o resto do mundo permanecer “interligado” para garantir a segurança.
Comentários