O crowdfunding faz girar o mundo

Se a mudança é notícia, aproveitá-la é revolução. A recente luz verde à lei que tornou possível oferecer equity crowdfunding, permitiu o lançamento da plataforma Seedrs nos Estados Unidos. A startup, fundada por um português e um britânico, quer crescer e o mercado norte-americano era um sonho antigo. Pensada como uma alternativa às clássicas fontes […]

Se a mudança é notícia, aproveitá-la é revolução. A recente luz verde à lei que tornou possível oferecer equity crowdfunding, permitiu o lançamento da plataforma Seedrs nos Estados Unidos. A startup, fundada por um português e um britânico, quer crescer e o mercado norte-americano era um sonho antigo. Pensada como uma alternativa às clássicas fontes de financiamento, a Seedrs aparece como solução muitas empresas em fase inicial: basta à empresa dizer quanto dinheiro precisa e qual a percentagem da companhia de que está disposta a abdicar para conseguir chegar ao valor desejado para o processo começar.

Avaliada em 42,4 milhões de euros, logo depois de um investimento de 14 milhões anunciado em julho deste ano, a empresa permite a qualquer pessoa investir em projetos com os quais se identifica ou em que acredita. Um mês antes, a empresa anunciava a entrada de Andy Murray, o campeão de ténis britânico e terceiro no ranking da ATP como um dos consultores estratégicos, tornando-se a primeira figura pública a investir em startups através de uma plataforma de crowdfunding. Só no ano passado, a empresa foi responsável por gerar financiamento a 110 startups que se candidataram ao processo: o financiamento começa nos 10 euros ou nas 10 libras.

Mas esta não é a única primeira vez da empresa: fundada em 2012 e com base em Londres, a Seedrs é também a plataforma de estreia a atuar no financiamento coletivo que é regulada pela entidade que supervisiona o mercado financeiro britânico. No início deste mês, estabeleceu com o banco ING uma parceria para facilitar o financiamento de projetos de empreendedorismo na Bélgica e Luxemburgo através do mesmo mecanismo: o objetivo, explica a empresa, é proporcionar um investimento diversificado em startups dos dois países e, por isso, o banco funcionará como “parceiro e conselheiro” da plataforma luso-britânica. “Para os empreendedores com ideias inovadoras, um empréstimo bancário clássico nem sempre é a melhor ou única solução”, explica Carlos Silva, CEO da empresa, em comunicado. Novidades contadas, os planos continuam a ser de crescimento: o mercado de crowdfunding, garantem os fundadores ao Financial Times, cresceu em média 410% entre 2012 e 2014 tendo a Seedrs como principal concorrente no Reino Unido o CrowdCube. Todos os meses entram para a plataforma 3000 novos utilizadores e uma dezena de empresas são financiadas por investidores de cerca de 30 países diferentes. E a lista não vai parar por aqui.

Recomendadas

Taxa de inflação anual na zona euro abranda para 10% em novembro

De acordo com a estimativa do Eurostat, a energia é a componente que apresenta a mais alta taxa de inflação homóloga (34,9%, em baixa face a 41,5% de outubro), seguindo-se a alimentação, álcool e tabaco (13,6%, que se compara com 13,1% do mês anterior), os bens industriais não energéticos (que se manteve estável nos 6,1%) e os serviços (4,2%, face a 4,3%).

Governo adota estratégia para aumentar “peso e influência” portuguesa em instituições da União Europeia

A informação foi avançada à agência Lusa, no dia em que o Governo se reúne em Conselho de Ministros, pelo secretário de Estado dos Assuntos Europeus, Tiago Antunes, que defendeu ser “imperativo aumentar a representatividade de Portugal nas instâncias europeias, nos quadros e, em particular da Comissão, onde o défice é maior, para [Portugal] ter mais peso e uma maior capacidade de influência no processo de decisão europeu”.

Inflação desacelera em novembro para 9,9%

“A taxa de variação homóloga do Índice de Preços no Consumidor terá diminuído para 9,9% em novembro, taxa inferior em 0,2 pontos percentuais à observada no mês anterior”, revela o INE.