O que muda com a pandemia

Poderão os “cisnes negros” tornar-se brancos? A questão está num artigo da seguradora Crédito y Caution.

Uma análise do banco Julius Bar calcula que nos últimos 90 anos ocorreram 27 grandes acontecimentos com efeito disruptivo na economia e na sociedade, sendo que o evento da pandemia de 2020 ainda não está nesta estatística, e claro que também não está a crise Rússia/Ucrânia.

Em cada três anos e meio ocorre “algo” que faz mexer e “tremer as economias”, refere Miguel Vega no mais recente outlook da seguradora Crédito Y Caution (CyC). Refere ainda que os ingredientes básicos para uma crise financeira são o mar de liquidez, a inovação nos mercados de capitais, o boom nos preços do imobiliário e a liberalização financeira. Felizmente os bancos centrais têm-nos protegido e, refere a mesma fonte, “desde a Europa à China dotaram-se medidas de política fiscal e monetária que têm permitido o crescimento económico”.

Este trabalho do segurador espanhol feito antes da crise do leste europeu, cita a gestora Pictet ao afirmar que o mundo desenvolvido pode crescer 3% nos próximos cinco anos, com um impacto positivo nos EUA de 2,2% e na Eurozona de cerca de 1,2%. Refere a economista da gestora Pictet, Luca Paolini, citada no mesmo trabalho da CyC que “a lição a retirar dos últimos acontecimentos políticos e económicos é que uma recessão profunda, mas curta, é menos prejudicial para os mercados versus uma recessão longa”. Isto significa que os chamados “cisnes negros”, ou seja acontecimentos com forte impacto nas economias quando acontecem, são uma raridade. A CyC relembra que a última grande crise financeira de 2008 deixou “cicatrizes, mas também o caminho aberto a mais de 10 anos de crescimento, o maior período de expansão da história”. Relembra ainda que a saída da Grande Depressão de 1929 e da II Guerra Mundial foi feita com políticas keynesianas, ou seja, forte investimento público e desenvolvimento tecnológico com base na tecnologia militar; e lembra ainda que a crise do petróleo dos anos 70 foi debelada com uma política monetária restritiva e com uma nova consciência ambiental a nível da energia.

Tudo isto significa, na ótica dos analistas da CyC, que “as crises só podem ser passageiras”.

Recomendadas

Bruxelas quer emitir 50 mil milhões de euros em obrigações para financiar NextGenerationEU

Bruxelas anunciou o programa de financiamento para entre julho e dezembro.

Bruxelas favorável a reprogramação de investimentos face aos preços

A Comissão Europeia respondeu hoje favoravelmente à solicitação de Portugal e outros Estados-membros para que os programas de investimentos dos Planos de Recuperação e Resiliência (PRR) possam ser reprogramados, face aos preços “anormalmente elevados”, revelou o primeiro-ministro.

DECO questiona porque Espanha reduz IVA para 5% e Portugal não

“O pagamento da fatura de eletricidade e gás tem um peso considerável no orçamento das famílias portuguesas, pelo que consideramos que a redução do IVA é uma medida adequada, necessária e urgente”, escreve a DECO.
Comentários