Oakley Capital adquire a totalidade do capital da Cloudware

A gestora de fundos de private equity britânica Oakley Capital adquiriu a totalidade do capital da Cloudware, que passa a integrar o maior grupo ibérico de software de gestão, o “Grupo Primavera” liderado por Santiago Solanas.

A gestora de fundos de private equity britânica Oakley Capital adquiriu a totalidade do capital da Cloudware, que passa a integrar o maior grupo ibérico de software de gestão, o “Grupo Primavera” liderado por Santiago Solanas.

O Grupo Primavera é detido maioritariamente pela Oakley Capital e composto por 11 empresas do setor em Portugal e Espanha.

Em junho do ano passado foi noticiado que a fundo Oakley Capital acordou a aquisição da empresa portuguesa de software de gestão Primavera e que juntamente com a espanhola Ekon, seria criado um novo grupo na Península Ibérica focado em soluções para as PME.

Agora a Oakley Capital  diz que a aquisição da Cloudware permitirá consolidar a liderança do grupo no setor da Contabilidade em Portugal.

O Grupo conta já com mais de 750 colaboradores e com um volume de negócios agregado de cerca de 70 milhões de euros.

“Com este acordo, a Cloudware passará a fazer parte do conjunto de 11 empresas adquiridas pela Oakley Capital, entre as quais, em Espanha, a Ekon, um reconhecido fabricante de software de gestão cloud para médias e grandes empresas, a Contasimple, a Diez Software, e o Club del Asesor, entre outras. Em Portugal, o Grupo Primavera comprou também recentemente a Primavera BSS, empresa de referência no software de gestão”, refere o comunicado.

A mesma nota cita os dois fundadores da empresa, Vítor Pinho e Eurico Inocêncio, a dizerem que “as soluções inovadoras que criamos, através de uma abordagem diferenciada no modelo de comercialização, permitiram em Portugal alterar o paradigma do software de gestão”.

“A associação ao Grupo Primavera e a dimensão da Oakley, permitirão criar sinergias, beneficiando de outras experiências e conhecimento do mercado espanhol, o que irá acelerar o crescimento da Cloudware, a capacidade de investigação em tecnologias emergentes e a sua aplicabilidade à realidade das empresas e dos contabilistas”, lê-se no comunicado.

“As soluções setoriais existentes no grupo irão permitir alargar a oferta da Cloudware, mantendo o seu foco de desenvolvimento nos produtos e no segmento de mercado que lidera atualmente”, adianta ainda a empresa.

“Com esta aquisição é reconhecida a excelência de engenharia e a importância da plataforma TOConline para todos os contabilistas certificados, um compromisso da Cloudware e do Grupo para com esta comunidade que continuará a ser a aposta principal reforçada com os recursos e sinergias que esta aquisição proporciona”, adianta a nota.

O CEO do Grupo Primavera, Santiago Solanas, afirma que “o nosso objetivo é oferecer as melhores soluções de software de gestão para as empresas e escritórios de contabilidade em Portugal e Espanha, adaptando-as constantemente às necessidades dos nossos clientes, e apoiando-nos em equipas altamente motivadas e inovadoras. A aposta na Cloudware e na liderança do Vítor e do Eurico são uma continuação do nosso caminho rumo à liderança no mercado de software de gestão ibérico. Reforçamos a nossa presença no mercado dos contabilistas e expandimos a qualidade da nossa oferta para todo o tecido empresarial português”.

Recomendadas

À beira dos 100 anos de vida, Disney está prestes a perder os direitos sobre o Mickey

Os direitos de autor sobre a personagens estão quase a expirar e vão passar para domínio público, como consequência da lei dos Estados Unidos.

Jogos Olímpicos 2024. Empresa portuguesa recebe cinco milhões para construção arquitetónica

O contrato está inserido numa operação de 136 milhões de euros e visa a construção da Arena Porte de la Chapelle, que vai servir de palco para os Jogos de 2024.

MP pede ao Tribunal da Concorrência para manter coima de 48 milhões à EDP e empresa pede absolvição

O Ministério Público pediu hoje ao Tribunal da Concorrência para manter a coima de 48 milhões de euros aplicada à EDP Produção por abuso de posição dominante, tendo a empresa defendido a absolvição “pura e simples”.
Comentários