Oficial: Economia portuguesa deve crescer 5,4% em 2021, após quebra recorde de 8,5% este ano

Uma recuperação apenas parcial em 2021. Na proposta do OE2021 entregue hoje na Assembleia da República, o Governo prevê que o crescimento da economia no próximo ano não seja suficiente para compensar a quebra recorde de 2020.

O Produto Interno Bruto (PIB) de Portugal deverá expandir 5,4% em 2021, uma recuperação que não servirá todavia para compensar por completo a recessão recorde de 8,5% este ano, causada pelas medidas de contenção da pandemia de Covid-19, segundo as previsões do Governo expressas na proposta do Orçamento do Estado para 2021 (OE2021) entregue ao Parlamento esta segunda-feira.

O Governo mostra-se desta forma, mais pessimista em relação à quebra na economia este ano que o Banco de Portugal, que na semana passada divulgou uma projeção de 8,1%.

Em junho, no Programa de Estabilização Económica e Financeira, o Executivo estimava uma queda do PIB de 6,9% este ano e um crescimento de 4,3% em 2021.

“Para 2021 perspetiva-se uma recuperação da economia portuguesa, com um crescimento real do PIB de 5,4%, face à forte contração de 8,5% estimada para 2020”, lê-se na proposta. “A contração do PIB para 2020 prevista neste cenário é superior em 1,6 pontos percentuais (p.p.) ao subjacente no Orçamento do Estado Suplementar para 2020 (junho último), resultado de uma quebra mais acentuada, face ao então estimado, nas componentes do consumo privado e exportações, assim como de uma contração do consumo público”.

O Governo antecipa contudo, uma menor redução do investimento e uma diminuição mais intensa das importações face ao estimado em junho. O crescimento previsto para 2021 está em linha com o crescimento esperado para a área do euro, que deverá situar-se em 6,1% (-8,7% em 2020) de acordo com as últimas previsões da Comissão Europeia (julho último), sublinhou.

“O crescimento previsto de 5,4% para 2021 reflete um contributo positivo, tanto da procura interna (4,1 p.p.), como da procura externa líquida (1,3 p.p.), por via de um maior dinamismo das componentes de consumo privado, investimento e consumo público, e de um crescimento das exportações mais intenso que o esperado para as importações”, explicou.

“Assim, para 2021, prevê-se um aumento do consumo privado em 3,9%, após uma redução esperada de 7,1% em 2020. A recuperação prevista pressupõe um menor nível de incerteza”, vincou.

[Em atualização]

 

Relacionadas

Mais pessimista do que o Governo, Banco de Portugal estima recessão de 8,1% este ano

O Banco de Portugal explica que este cenário será reflexo de uma queda homóloga de 9,4% no primeiro semestre e de uma recuperação na segunda metade do ano, que se traduz numa variação homóloga de -6,8%. 

Minuto a minuto OE 2021: PS diz que travão à transferência para o Novo Banco declara “nulos os contratos e compromissos assumidos com Bruxelas, o BCE e os compradores”

Vai ter hoje lugar no Parlamento a votação final global do Orçamento do Estado para 2021. PS já criticou o PSD por ter aprovado a proposta do Bloco de impedir a transferência de 476 milhões para o Novo Banco.
Recomendadas

PremiumEfeitos base levam Portugal a liderar crescimento europeu

Os 6,7% de 2022 ficam bem acima dos 3,5% da zona euro e até da previsão de 6,5% do Governo, mas refletem um atraso na recuperação da economia nacional. Inflação voltou a recuar abaixo da europeia, mas core ainda preocupa.
gasolina_combustiveis_greve_motoristas

Governo mantém apoios aos combustíveis em fevereiro. Gasolina com maior desconto

Esta decisão significa que, em fevereiro, há um alívio na carga fiscal dos combustíveis. Considerando todas as medidas em vigor, a redução da carga fiscal passará a ser de 35,9 cêntimos por litro de gasóleo e de 34,8 cêntimos por litro de gasolina, refere o gabinete de Fernando Medina.

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta sexta-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta sexta-feira.
Comentários