Oi encaixa 167 milhões de euros com venda das torres de telecomunicações

A Pharol anunciou que a operadora brasileira, da qual é acionista, a Oi vendeu, em processo competitivo, a UPI Torres por 1,067 mil milhões de reais (167,5 milhões de euros).

Oi Brasil

A Pharol anunciou que a operadora brasileira da qual é acionista, a Oi, vendeu, em processo competitivo, a UPI Torres por 1,067 mil milhões de reais (167,5 milhões de euros).

No passado dia 5 de outubro realizou-se no Juízo da Recuperação Judicial a audiência para abertura de propostas fechadas apresentadas no âmbito do procedimento competitivo de alienação da UPI Torres, “na forma e nos termos previstos no Aditamento ao Plano de Recuperação Judicial e do Edital UPI Torres”, lê-se no comunicado ao mercado.

Durante a audiência, verificou-se a existência de apenas uma proposta fechada para aquisição da UPI Torres, a qual foi apresentada pela Highline do Brasil II Infraestrutura de Telecomunicações  “nos exatos termos e condições da proposta vinculante para aquisição da UPI Torres por esta apresentada, no valor de 1.066.902.827 reais a ser pago em dinheiro”.

Será celebrado com a Highline o contrato de Compra e Venda de Ações, ficando a efetiva conclusão da transferência das ações sujeita ao cumprimento das condições previstas em tal contrato, dentre as quais, a aprovação da compra e venda das ações pelo Conselho Administrativo de Defesa Económica – CADE.

Os jornais brasileiros referem que  a Highline do Brasil, do grupo norte-americano de private equity Digital Colony, comprou a unidade de torres por 1,067 bilhão de reais. A empresa apresentou a única oferta do leilão deste ativo e que a Titan Venture Capital ficou com a unidade de data centers, com uma oferta de 325 milhões de reais, também única apresentada no leilão.

Recomendadas

Bancos sujeitos a coimas até 1,5 milhões se não aplicarem diploma do Governo para crédito à habitação

Está já em vigor, a partir deste sábado, o diploma que estabelece medidas destinadas a mitigar os efeitos do incremento dos indexantes de referência de contratos de crédito para aquisição ou construção de habitação própria permanente. Bancos têm 45 dias a partir de hoje para aplicar as medidas.

Ministra da Justiça diz que é preciso melhorar condições dos processos de recuperação de empresas

“A melhoria das condições de processos de recuperação [de empresas], sobretudo em períodos de insolvência e de dúvida, como o que atravessamos, é um desafio, mas um desafio que temos de concretizar”, afirmou Catarina Sarmento e Castro.

Restaurantes da AHRESP vão assegurar alimentação dos peregrinos da Jornada Mundial da Juventude

A AHRESP vai apoiar a Fundação na “definição das regras de funcionamento da rede de restaurantes e similares que irão assegurar o fornecimento de refeições para os participantes da Jornada Mundial da Juventude e contactar restaurantes e similares para promover a sua adesão à rede, bem como promover o uso do Guia de Boas Práticas da Restauração e Bebidas junto da rede”, lê-se no comunicado.  
Comentários