Oito migrantes vindos de Marrocos queriam ir para Espanha, mas desembarcaram no Algarve

É uma situação muito rara em Portugal. O último desembarque de migrantes vindos de África em Portugal aconteceu há 10 anos. A Polícia Marítima revelou ao JE que os migrantes podem ser de nacionalidade marroquina, estiveram cinco dias no mar e alegadamente teriam Espanha como destino.

Oito migrantes vindos de África desembarcaram numa praia do Algarve esta manhã, encontrando-se atualmente detidos pela Polícia Marítima. A notícia foi avançada pela SIC Notícias esta quarta-feira e confirmada pelo Jornal Económico junto das autoridades locais.

Os migrantes terão partido da cidade de El Jadida em Marrocos com destino a Espanha, mas depois de cinco dias no mar acabaram por desembarcar no Algarve. Esta foi a versão dada pelos migrantes, disse ao JE o comandante da Polícia Marítima de Vila Real de Santo António, Rui Andrade.

Os oito serão de nacionalidade marroquina e terão idades compreendidas entre os 16 e os 20 anos, segundo os próprios, de acordo com o capitão-de-fragata, Rui Andrade.

“Os oito jovens detetados nas dunas, estavam escondidos. Após relatos de populares para a Polícia Marítima de Vila Real de Santo António que viram uma embarcação a desembarcar na praia de Monte Gordo. A Polícia Marítima, que já se encontrava na zona, deslocou-se ao local e foi detetar os jovens escondidos nas dunas”, disse o comandante Rui Andrade ao JE.

Sobre a sua condição física, o comandante diz que “aparentam estar num estado normal, sem grandes cuidados. Estão tranquilos”.

Apesar da chegada de  migrantes a bordo de pateras, nome dado em Espanha às embarcações usada pelos migrantes que atravessam o estreito de Gibraltar rumo à Europa, ser uma situação rara em Portugal , o comandante Rui Andrade recorda-se de uma situação semelhante há cerca de 10 anos na região.

O desembarque teve lugar esta manhã na praia de Monte Gordo no sotavento algarvio. Desembarcados na praia, fugiram em direção à mata mais próxima. Vistos por um pescador, as autoridades foram alertadas. A Polícia Marítima acabou por deter todos os migrantes.

A Polícia Marítima já chamou o Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) que vai proceder à identificação e tratar das devidas formalidades nestes casos. O processo vai passar depois para o Ministério Público de Vila Real de Santo António.

Relacionadas

Portugal recebeu 2.144 refugiados em quatro anos mas 50% terá já abandonado o país

Sob o esquema de recolocação da União Europeia, cerca de 1.550 refugiados deram entrada no país. Apesar dos movimentos secundários serem hoje “muito menos significativos”, cerca 50% dos refugiados abandonaram o país. “Recebemos muitos médicos e engenheiros mas não foram aproveitados. Foram trabalhar em limpezas ou na construção civil”, afirma a Amnistia Internacional.

Rolf Wenzel: “Portugal aceitou um número de migrantes acima da quota-parte”

Dizendo que a reação xenófoba aos refugiados é como o génio que sai da lâmpada e não volta a entrar, o líder da instituição de apoio a projetos sociais elogia a “forma generosa” como Portugal respondeu.
Recomendadas

Dia Mundial do Professor. Marcelo felicita docentes pela “competência, dedicação e entusiasmo”

Numa nota publicada na página da Presidência da República na internet, é recordado que hoje se assinala o Dia Mundial do Professor, instituído pela UNESCO para “evidenciar o papel dos professores, absolutamente essencial para o sucesso das novas gerações e no desenvolvimento das sociedades”.

5 de outubro: Marcelo pede que se faça avançar democracia com “caminho para todos”

Num discurso de onze minutos, na cerimónia comemorativa dos 112 anos da Implantação da República, na Praça do Município, em Lisboa, Marcelo Rebelo de Sousa falou dos governos que “tendem quase sempre a ver-se como eternos” e das oposições “quase sempre a exasperarem-se pela espera”, afirmando em seguida que “nada é eterno” e que “a democracia é por natureza o domínio da alternativa, própria ou alheia”.

Cleanwatts vai criar uma Comunidade de Energia Renovável em Braga

“Vamos instalar uma Central Fotovoltaica de 1,2 MWp (megawatts-pico), com mais de 2.100 painéis solares, nos telhados da Arquidiocese de Braga, que será integrada numa Comunidade de Energia Renovável”, explica Basílio Simões, fundador e presidente da Cleanwatts.
Comentários