Premium“ONI vai crescer para oferecer serviços a nível global”

Espanhola Gigas aposta na ONI para ser operador grossista internacional, convergindo telecomunicações com serviços de ‘cloud computing’ a partir de Portugal. Promete investimentos e reforço de equipas, mantendo boas relações com todos os operadores.

O grupo Cabonitel, constituído pela Nowo e ONI, foi adquirido pela sociedade de investimento GAEA Inversión e pela espanhola MásMóvil, no verão de 2019. Pouco mais de um ano depois, a MásMóvil acordou com a Gigas, ambas acionistas da GAEA, a reorganização da Cabonitel, definindo o controlo da Nowo para a MásMóvil e o controlo da ONI para a Gigas. Em 10 de novembro, a Gigas anunciou ter um acordo vinculativo com a GAEA para comprar a ONI por 40 milhões de euros. Desta forma, a Gigas, empresa especialista em serviços de cloud computing presente em nove países (Espanha, Portugal, Irlanda, EUA, Colômbia, Chile, Peru, Panamá e México), entra no sector das telecomunicações, absorvendo mais de mil empresas-clientes, dois data centers, redes de fibra metropolitanas e uma rede de fibra que liga Madrid a Lisboa e Porto. Em entrevista ao Jornal Económico, o fundador e presidente executivo da Gigas, Diego Cabezudo, justifica a aposta na ONI e no sector telco, bem como os planos para o futuro da Gigas e da telecom focada no segmento empresarial.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

Fitch Rating antecipa ano desastroso para o sector imobiliário

Os países que preferiram as taxas variáveis e permitiram um forte aumento do preço das casas estão especialmente vulneráveis à inflação e à queda da procura. Portugal não faz parte do estudo, mas tem tudo para fazer parte do pior cenário.

Revolut nomeia Elisabet Girvent para responsável de vendas em Espanha e Portugal

O seu objetivo passa por continuar a expandir os serviços da Revolut Business na região. A Revolut Business é o serviço bancário empresarial da Revolut. Esta solução encontra-se em funcionamento desde 2017 e foi concebida para atender às necessidades de start-ups, PME familiares e grandes empresas tecnológicas.

Noção de mercados emergentes na banca está morta, diz Mckinsey. Ásia concentra crescimento

Os bancos na Ásia-Pacífico podem ganhar com uma perspectiva macroeconómica mais forte, enquanto que os bancos europeus enfrentam uma perspectiva mais sombria. “No caso de uma longa recessão, estimamos que a rendibilidade dos bancos a nível mundial possa cair para 7% até 2026 e para baixo dos 6% nos bancos europeus”, diz a Mckinsey.
Comentários