ONU aprova 7,98 milhões de euros para apoiar resposta humanitária na Venezuela

Segundo este organismo, os fundos vão ser destinados a projetos do Plano de Resposta Humanitária 2022-2023, focados em pessoas em situação de vulnerabilidade.

A ONU aprovou oito milhões de dólares (7,98 milhões de euros) para apoiar a resposta humanitária na Venezuela. O anúncio foi feito pelo Escritório de Coordenação de Assuntos Humanitários (OCHA) daquele organismo na Venezuela, através da rede social Twitter.

“O secretário-geral adjunto dos Assuntos Humanitários e coordenador da Ajuda de Emergência (Martin Griffiths) anunciou a atribuição de oito milhões de dólares do Fundo Central de Resposta a Emergências da ONU (UNCERF) para a Venezuela”, explicou o OCHA.

Segundo aquele organismo “os fundos vão ser destinados a projetos do Plano de Resposta Humanitária 2022-2023, focados em pessoas em situação de vulnerabilidade”.

Em 16 de agosto, a Agência da ONU para os Refugiados (ACNUR) lançou uma atualização do Plano de Resposta Humanitária 2022-2023 para a Venezuela, precisando que o propósito é apoiar 5,2 milhões de venezuelanos no seu país natal. Para financiar o plano a ONU precisa de 795 milhões de dólares (793,78 milhões de euros).

O Plano de Resposta Humanitária (PRH) tem como finalidade “prestar assistência, reforçar a prestação de serviços essenciais, meios de subsistência e proteção, dando prioridade com base no nível de vulnerabilidade” e consiste em 145 projetos em execução por 125 associados, entre eles agências da ONU e organizações governamentais nacionais e internacionais.

No documento, divulgado pela ACNUR-Venezuela, explica-se que “2021 marcou o fim de um ciclo de recessão acelerada da economia venezuelana, após uma contração acumulada de 75% ao longo dos últimos oito anos”.

“Em 2022, prevê-se que se produzirá um crescimento que levará tempo a traduzir-se em melhorias significativas no acesso aos serviços básicos, à restauração dos meios de subsistência e à redução dos riscos de proteção”, acrescenta-se.

O PRH procura contribuir para que a Venezuela possa atingir os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável e define como áreas prioritárias a saúde da população, nutrição, a segurança alimentar e meios de subsistência, a mobilidade humana, os riscos de proteção, a prestação e acesso aos serviços e à educação.

O PRH dá continuidade a programas anteriores que a ONU desenvolve na Venezuela desde 2019 e tem os objetivos estratégicos de contribuir para o bem-estar das pessoas priorizadas por grupo etário, género e diversidade, através de uma resposta humanitária multissetorial e sob uma abordagem baseada nos direitos.

Por outro lado, em 28 de agosto, a ONU atualizou em alta, para 6,81 milhões, o número de migrantes e refugiados venezuelanos que nos últimos anos abandonaram o país para escapar à crise política económica e social que afeta a Venezuela.

Os dados foram atualizados pela Plataforma de Coordenação Interagências para Refugiados e Migrantes da Venezuela (R4V), da ONU, que em julho de 2022 dava conta de que 6,15 milhões de venezuelanos estavam no estrangeiro.

Os dados divulgados centram-se na América Latina e Caraíbas, onde, segundo a R4V, estão agora radicados 5,75 milhões de venezuelanos (5,09 milhões em julho de 2022).

A Colômbia continua a ser atualmente o país da região com maior número de migrantes e refugiados venezuelanos, 2,48 milhões, seguindo-se o Peru (1,22 milhões), o Equador (502,2 mil), o Chile (448,1 mil) e o Brasil, com 358,4 mil.

A crise política, económica e social na Venezuela agravou-se desde janeiro de 2019, quando o então presidente do parlamento, o opositor Juan Guaidó, jurou publicamente assumir as funções de Presidente interino do país até afastar Nicolás Maduro do poder, convocar um Governo de transição e eleições livres e democráticas.

A Venezuela tinha, em finais de 2020, uma população de 28.515.829 pessoas.

Recomendadas

São Tomé/Eleições: Observadores da CPLP dizem que votação correu “acima das expetativas”

No total, onze partidos e movimentos, incluindo uma coligação, concorrem este domingo aos 55 lugares da Assembleia Nacional de São Tomé e Príncipe.

Bancos libaneses reabrem portas na segunda-feira só para serviços específicos

A decisão de reabrir, embora com limitações “a determinar por cada banco”, de acordo com a declaração da Associação Bancária, foi atribuída pela associação à “necessidade de garantir a continuidade dos serviços aos clientes” e de “assegurar os salários dos setores público e privado”.

Polícia usa gás lacrimogéneo para impedir manifestantes de chegar a embaixada do Irão em Paris

No sábado já tinha decorrido um outro protesto em Paris, na Place du Châtelet, que também contou com centenas de participantes.
Comentários