Os juros da dívida após o QE

O BCE deverá continuar a trabalhar em prol da estabilidade da UEM, mas isso não significa que seja sempre o comprador de último recurso.

O final do programa do BCE de compras de ativos não resultará obrigatoriamente numa subida dos juros da dívida no curto prazo. O BCE, este ano, já reduziu substancialmente o montante das compras, o que não implicou subida dos yields. Porém, ao deixar de existir um comprador importante, os preços das obrigações evoluirão mais com base nos fatores de mercado.

O BCE continuará a reinvestir montantes que recebe de juros e capital, pelo que não estará totalmente ausente. Em caso de necessidade, poderá implementar políticas que resultem em procura continuada de obrigações – por exemplo, facilitar liquidez aos bancos para que depois a apliquem em dívida pública.

Os altos níveis de endividamento e o crescimento económico lento provocam receios legítimos para o médio prazo, mas a responsabilidade é dos países e não do banco central. Por exemplo, o BCE continuou a comprar títulos de Itália este ano e isso não impediu a subida das taxas em secundário devido a riscos de derrapagem orçamental.

O BCE deverá continuar a trabalhar em prol da estabilidade da UEM, tentando evitar ou mitigar os efeitos de “crises de dívida”, mas isso não significa que seja sempre o comprador de último recurso.

Recomendadas

Barril de petróleo russo limitado a 60 dólares após acordo entre G7 e Austrália

Após acordo alcançado pela União Europeia, os países do G7, juntamente com Austrália, concordam com um limite de preço de 60 dólares por barril para o petróleo russo. Moscovo repete que não aceita.

Redução da produção de petróleo? “Necessária e correta”, diz OPEP+

A Organização dos Países Exportadores de Petróleo e os seus aliados (OPEP+) decidiu este domingo continuar a aplicar um corte na produção de petróleo em 2023, uma medida que defendeu ser “necessária e correta”.

PremiumMercados somam e seguem

Índices acionistas encerram em alta em novembro, somando segundo ganho mensal consecutivo.
Comentários