PremiumPacto Ecológico Europeu: entre a ambição e o desconhecido

Genericamente bem aceite, a proposta da Comissão von der Leyen é basicamente um conjunto de desafiantes intenções, que carece de estruturação mais fina. Enquanto tal não acontece, as expectativas são positivas, mas com alguns receios concretos.

Reduzir as emissões poluentes em 55% até 2030 para atingir a neutralidade climática até 2050, alavancando o projeto num enorme esforço financeiro que pode chegar aos 260 mil milhões de euros por ano até 2030 – dos quais 100 mil milhões são destinado àquilo que a Comissão Europeia chama Mecanismo para uma Transição Justa – e tendo por base um cronograma de ação que inclui 50 medidas políticas, sustentadas por dez pilares estratégicos.

O Pacto Ecológico Europeu, a primeira grande medida anunciada pela Comissão Europeia agora liderada pela alemã Ursula van der Leyen, promete revolucionar a economia da União Europeia. Por essa via, todos consideram ser um desafio que vale a pena enfrentar, mas cujo debate está ainda numa fase muito inicial – não havendo sequer um roadmap das iniciativas concretas que pretende promover ou um quadro de intervenções prioritárias.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

Entregas ao domicílio da IKEA serão totalmente elétricas até 2025, diz CEO

A meta para 2030 é ser uma empresa positiva para o clima, isto é, reduzir mais gases de efeito estufa do que aqueles que são emitidos por toda a sua cadeia de valor.

Desafios tecnológicos, burocracia, renováveis e perda de água em debate

A transição energética em Portugal e na Europa esteve em debate na conferência do sexto aniversário do Jornal Económico.

Transição energética não pode ser feita sem as pessoas

Empresas do sector energético destacam a importância das pessoas nos seus projetos. A transição não pode ser feita sem o envolvimento das populações locais e sem a conversão de postos de trabalho.
Comentários