PAN propõe plástico zero nos supermercados até 2026

A legislação atual determina que, a partir do dia 1 de junho de 2023, todos os estabelecimentos comerciais que vendem pão, fruta e legumes vão ficar impedidos de vender sacos de plástico ultraleves.

O PAN apresentou uma proposta de aditamento, no âmbito do Orçamento do Estado para 2022, para definição de uma meta de “plástico zero” nos supermercados e hipermercados até 2026.

A deputada única do PAN, Inês de Sousa Real, justifica a importância da proposta dado que o plástico continua a assumir um peso significativo na produção total de resíduos de sólidos urbanos.

A proposta refere que a aprovação da Lei da Fiscalidade Verde, de 2014, que passou a implicar a contribuição de oito cêntimos por cada saco de plástico, sendo o valor atual de doze cêntimos, apesar de ter reduzido a produção e o consumo de plástico, ao cingir-se aos sacos de plástico leves, “mostrou-se uma medida pouco ambiciosa, mantendo-se um consumo elevado de sacos de plástico nos supermercados”.

Nesse sentido, a proposta refere que “a tributação dos sacos de plástico não se tem mostrado eficaz na sensibilização para este problema”, e que “em vários países, já não existe a opção de plástico nos supermercados, incentivando as pessoas a ajustar os seus hábitos ou a optar por soluções alternativas, nomeadamente a reutilização”.

A legislação atual determina que, a partir do dia 1 de junho de 2023, todos os estabelecimentos comerciais que vendem pão, fruta e legumes vão ficar impedidos de vender sacos de plástico ultraleves.

No entanto, o PAN entende que as metas devem ser mais ambiciosas e estimular a mudança de hábitos e a redução do consumo de plásticos nos supermercados e hipermercados, “tendo em conta as várias alternativas aos sacos de plástico que existem no mercado e que podem e devem ser adotadas nas superfícies comerciais, eliminando todo o consumo de sacos de plástico, sem agravar a despesa das famílias”.

Recomendadas
Carlos Moedas

Carlos Moedas: “A transição energética é o maior desafio das nossas vidas”

O presidente da Câmara Municipal de Lisboa discursou esta terça-feira numa conferência ibérica dedicada ao tema da mobilidade, onde o líder da CIP, António Saraiva, defendeu que reduzir os transportes não é a solução para descarbonizar o país.

Açores. Simo de 2,1 na escala de Richter registado na Terceira

Um sismo com magnitude de 2,1 na escala de Richter foi sentido hoje na ilha Terceira, segundo um comunicado do Centro de Informação e Vigilância Sismovulcânica dos Açores.

Ministra não prevê falta de alimentos provocada pela seca ou pela guerra

“Criámos, com toda a cadeia alimentar, desde a produção até ao retalho, grupos de acompanhamento para que não haja quebra”, apontou a ministra da Agricultura e Alimentação, Maria do Céu Antunes.
Comentários