Paulo Rangel: “Vou apoiar o atual presidente, Rui Rio”

O eurodeputado do PSD anuncia pela primeira vez na entrevista para a TSF e DN que apoia o atual líder do PSD nas diretas de janeiro porque é o que tem uma “visão de médio prazo”.

Em entrevista à TSF/DN, Paulo Rangel considera que não se deve mudar de líder “só porque o resultado das eleições não foi o melhor”. “Estou a apoiar, ainda não tinha dito isso publicamente, embora já muitas pessoas o adivinhassem. Vou fazê-lo com certeza, porque concordo com essa visão, e sem prejuízo da enorme consideração que tenho pelos outros – seja Luís Montenegro até foi meu aluno, embora um aluno quase colega porque foi no primeiro ano em que dei aulas, portanto tínhamos praticamente a mesma idade; quer mesmo o Miguel Pinto Luz, que eu acho que está a fazer um trabalho muito interessante em termos de ligação a novos temas para o PSD”, afirmou o eurodeputado.

Na mesma entrevista, Paulo Rangel afirma que não quer o PSD de braço dado com o Chega, mas adverte que diabolizar André Ventura é um erro. Tanto mais que já viu muitos “Chegas” a crescer eleitoralmente na Europa.

O eurodeputado diz ainda que é contra a eutanásia e que o partido pode ter uma vitória nas próximas autárquicas.

Recomendadas

Raimundo reafirma PCP como partido dos trabalhadores e de protesto que não está parado no tempo

Paulo Raimundo falava no final de um almoço/comício da campanha “Faz das injustiças força para lutar! – mais salários e pensões, saúde e habitação”, que reuniu cerca de 300 pessoas no Centro Recreativo e Cultural do Boquilobo, no concelho de Torres Novas, no distrito de Santarém.

Extrema-direita espanhola na rua contra fim de crime de sedição que condenou independentistas

O parlamento espanhol aprovou na quinta-feira, numa primeira votação, uma proposta dos partidos no governo em Espanha (socialistas e extrema-esquerda da Unidas Podemos) de revisão do Código Penal que suprime o delito de sedição, que levou à prisão independentistas catalães.

Carlos Moedas serve mais um jantar à direita ibérica na Câmara

Carlos Moedas recebeu os “jotas” do PSD e do PP espanhol para um jantar servido na sala de arquivo da CML. Os custos foram assumidos pela autarquia, apurou o semanário Novo.
Comentários