Pedro Nuno Santos admite “batalha dura” no OE 2020

A apresentação pública do OE 2020 está prevista para a próxima segunda-feira.

Pedro Nuno Santos chegou hoje, dia 12 de dezembro, atrasado cerca de uma hora e meia para uma intervenção na 4ª edição do ciclo de palestras sobre ‘Mobilidade – Tendências, Desafios, Realidades’, uma iniciativa conjunta da ‘Transporte em Revista’ e da SRS Advogados, justificando a demora com as difíceis negociações para a elaboração do OE 2020, cuja apresentação pública deverá ocorrer na próxima segunda-feira, dia 16 de dezembro.

“Esta é uma semana fundamental para o resto do ano. Tinha que assegurar que as minhas áreas tinham a dotação necessária”, justificou o ministro das Infraestruturas e da Habitação, pedindo desculpas pelo atraso.

“Entre o excedente orçamental e a dotação para cada um dos ministérios, é uma batalha dura”, admitiu Pedro Nuno Santos.

Relacionadas

Governo esclarece que aumentos da função pública serão de 0,3% em 2020

“A proposta considera como referencial para aumentos salariais de 2020 a taxa de inflação observada até novembro de 2019 (de 0,3%, para todos os trabalhadores)”, avança o Ministério das Finanças.

Governo aprova 800 milhões para a saúde e vai contratar mais oito mil trabalhadores

O plano do Governo para o SNS prevê um reforço do orçamento da saúde em 800 milhões, com o Governo a prometer contratar 8.400 trabalhadores nos próximos anos.

Empresas defendem reintrodução do quociente familiar e mais escalões de IRS

Inquérito da consultora EY revela que empresas são quase unânimes em considerar carga fiscal é muito alta e defendem o alívio fiscal das famílias com medidas como o regresso do quociente familiar, eliminado em 2016, e mais escalões de IRS. Apontam ainda como prioridade baixar o IVA da eletricidade.
Recomendadas

Cinco milhões para ações de emergência na serra da Estrela até final do ano

O ministro do Ambiente e da Ação Climática, Duarte Cordeiro, disse que o Fundo Ambiental disponibiliza, até ao final do ano, cerca de cinco milhões de euros para ações de emergência.

Costa Silva: Próximos anos não vão ser “cor-de-rosa” para a economia portuguesa

António Costa Silva, ministro da Economia, afirma que “não é com receitas do passado que vamos resolver os problemas”, defendendo que “para resolver os problemas de curto prazo, precisamos de uma visão de longo prazo”.

Dionísio Pestana pede reforma dos impostos como apoio às empresas

O presidente do Grupo Pestana afirma não precisar de ajudas diretas, perante o cenário de incerteza, mas pede ao Governo que avance com uma reforma nos impostos, apontando para a TSU.
Comentários