Pedro Nuno Santos: “Não sou primeiro-ministro, não sou eu que decido”

Ministro das Infraestruturas continua a defender que o plano de reestruturação da TAP deveria ser submetido à aprovação dos deputados. E garantiu, em entrevista à SIC, que “partir do princípio de que um ministro, por ser de esquerda, convive com uma empresa pública ineficiente e a dar prejuízo, é uma leitura errada”.

O ministro das Infraestruturas, Pedro Nuno Santos, voltou a defender a intenção de condicionar o plano de reestruturação da TAP à aprovação da Assembleia da República, apesar de essa hipótese ter sido posta de parte por António Costa. “Não sou primeiro-ministro, não sou eu que decido”, admitiu nesta noite de sexta-feira, em entrevista à SIC, deixando claro que veria vantagens em “comprometer a maioria do Parlamento com uma decisão” que pode implicar a transferência de mais de três mil milhões de euros do Estado para a transportadora aérea até 2025.

“Devíamos exigir que os partidos assumissem uma posição”, disse Pedro Nuno Santos, que desvalorizou a derrota política que sofreu e afastou o cenário de sair do Governo de António Costa devido à desautorização quanto à gestão política do plano de reestruturação que será negociado com a Comissão Europeia. “Imaginem o que seria se de cada vez que há uma discordância entre ministros e o primeiro-ministro os ministros se demitissem”, comentou.

Assumindo-se como um político que “não é conhecido por necessitar do colinho de terceiros para tomar decisões” e a quem “ninguém vê a falta de coragem como uma das suas características”, o ministro das Infraestruturas disse aos entrevistadores que não iria “alimentar a polémica” quanto ao choque com António Costa. “As conversas que tenho com o primeiro-ministro não são matéria pública”, disse, acrescentando que “não está sistematicamente a perguntar se pode dar mais um passo” nos contactos, nomeadamente com outros partidos.

Quanto à possível incoerência de ser um ministro marcadamente de esquerda a despedir milhares de pessoas, calculando que a TAP perca dois a três mil postos de trabalho consoante os cortes salariais que venham a ocorrer, Pedro Nuno Santos respondeu que “partir do princípio de que um ministro, por ser de esquerda, convive com uma empresa pública ineficiente e a dar prejuízo, é uma leitura errada”.

“Tenho perfeita consciência de que o plano é agressivo para os trabalhadores da TAP, mas sei que se não fizermos a reestruturação não haverá hipóteses de salvação para a TAP”, salientou o ministro das Infraestruturas, garantindo estar consciente de que espera que “a Comissão Europeia seja dura” e que possa exigir cortes mais drásticos na transportadora aérea. Até porque não existe alternativa. “Se falharem as negociações em Bruxelas, e o plano de reestruturação não for aceite, a TAP será liquidada”, concluiu, defendendo que nesse caso o Estado teria prioridade na recuperação do empréstimo de 1.200 milhões de euros.

Relacionadas

Presidente da República defende solução para a TAP e diz que era a única possível

Em entrevista à SIC, o Presidente lembrou a importância estratégica da empresa junto das comunidades emigrantes e argumenta que o Plano de Reestruturação deve ser desenhado pelo Governo, sendo a Assembleia alvo de consulta apenas em caso de repercussões orçamentais não previstas no Orçamento do Estado.

“Será necessário suspender os acordos de empresa na TAP”, diz ministro

Um corte salarial progressivo até 25% “permite poupar entre 600 e mil postos de trabalho na TAP, que são preservados porque é feita a redução da massa salarial”, referiu esta sexta feira o ministro das Infraestruturas e da Habitação, Pedro Nuno Santos, na apresentação do Plano de Reestruturação da TAP.

“TAP pode precisar de assistência do Estado até 2024” para enfrentar perdas acumuladas de 6,7 mil milhões de euros, alerta Pedro Nuno Santos

Só em 2025 é que a TAP terá condições para “começar a devolver o dinheiro injetado pelo Estado”, admitiu esta sexta-feira Pedro Nuno Santos, prevendo que serão necessários cinco anos para que consiga apresentar números positivos, o que faz com que, no pior cenário, “as necessidades de capital da TAP possam atingir os 3,725 mil milhões de euros até 2024”
Recomendadas

EDP Renováveis vende Companhia Paranaense de Energia por 350 milhões de euros

A venda foi feita por um Enterprise Value (inclui dívida) estimado de 1,80 mil milhões de reais a 31 de dezembro de 2021 (o que equivale a 0,35 mil milhões de euros à taxa cambial de 5,16 euros/um real), e que será ajustado à data de conclusão.

Sindicatos desconvocam greve no Metro de Lisboa marcada para quarta-feira

No entanto, a Federação dos Sindicatos de Transportes e Comunicações entregou um novo pré-aviso de paralisação para 25 de outubro.

Talent Protocol compra empresa canadiana ligada à blockchain

A escolha recaiu sobre a Agora Labs, fundada por um grupo de quatro adolescentes. Matthew Espinoza (agora com 20 anos) e Freeman Zhang (de 19 anos) juntam-se à equipa da startup portuguesa dos ‘tokens’ para profissionais talentosos.
Comentários