Pentágono afirma que 80 mil soldados russos foram mortos ou feridos na Ucrânia (com áudio)

Cerca de 80.000 soldados russos foram mortos ou feridos desde o início da invasão da Ucrânia, disse hoje o número três do Pentágono, Colin Kahl, salientando que os alvos anunciados pelo Presidente russo, Vladimir Putin, ainda não foram atingidos.

Bloomberg

“Os russos perderam provavelmente 70.000 ou 80.000 soldados em menos de seis meses”, disse Kahl, secretário-adjunto da Defesa para a a Política, aos jornalistas, observando que o número inclui mortos e feridos.

As forças russas também perderam “3.000 ou 4.000” veículos blindados, e podem ter falta de mísseis guiados de precisão, incluindo mísseis ar-terra e mar-terra, acrescentou.

“Isto é bastante notável dado que os russos não alcançaram qualquer dos objetivos de Vladimir Putin no início da guerra”, prosseguiu o funcionário norte-americano.

“Fizeram alguns progressos no Leste, embora muito poucos nas últimas semanas”, observou. “Mas isto teve um custo extraordinário para os militares russos, devido à qualidade dos militares ucranianos e à assistência internacional que receberam.

Kahl reconheceu que as forças ucranianas também tinham sofrido pesadas baixas, mas não deu números.

Kiev comunicou pelo menos 10.000 mortos e 30.000 feridos entre as suas tropas.

Segundo uma fonte militar que pediu para não ser identificada, o Exército ucraniano, que era composto por 170.000 soldados no ativo e 100.000 reservistas no início da guerra em 24 de fevereiro, cresceu para 300.000 a 350.000 soldados.

Antes da invasão da Ucrânia em 24 de fevereiro, cerca de 150.000 a 200.000 soldados russos foram destacados para as fronteiras da Ucrânia, de acordo com estimativas ocidentais.

Recomendadas

Guterres condena “veementemente” golpe de Estado no Burkina Faso

O secretário-geral da ONU, António Guterres, condenou este sábado “veementemente”, num comunicado, “qualquer tentativa de tomada do poder pela força das armas” no Burkina Faso, um dia após um novo golpe de Estado no país, o segundo em oito meses.

Manifestantes denunciaram repressão violenta sobre ativistas no Irão

Milhares de manifestantes em várias universidades iranianas e em vários países protestaram este sábado contra a repressão sobre movimentos de protesto pela morte de Mahsa Amini, a jovem acusada de violar o código de indumentária da República Islâmica.

Bolsonaro agradece apoio de líderes europeus de extrema-direita, entre eles André Ventura

O presidente Jair Bolsonaro, que pretende ser reeleito no domingo, agradeceu este sábado as mensagens de apoio que recebeu de líderes da extrema-direita da Europa, como o primeiro-ministro da Hungria, Viktor Orban, ou o líder do Chega, André Ventura.
Comentários