Pharol desiste de aumentar o capital, mas diz que tem “outros meios” para manter a Oi

A Pharol diz que a participação da Pharol no aumento do capital social da Oi pode ser prosseguida “com uma gestão combinada das disponibilidades de caixa, dos direitos de subscrição preferencial e das ações Oi”.

Luís Palha da Silva, CEO da Pharol

A empresa liderada por Luís Palha da Silva não vai fazer o aumento de capital que tinha sido autorizado em novembro e que foi aprovado com a finalidade de dotar a empresa de dinheiro para acompanhar o aumento de capital da Oi.

“Como é do conhecimento dos senhores acionistas, na assembleia geral de 23 de Novembro de 2018, foi deliberado autorizar o conselho de administração da Pharol a aumentar o montante nominal do capital social da sociedade (…) para um máximo de até 55.482.427,11 euros [55,5 milhões de euros], na modalidade de novas entradas em dinheiro, com ou sem ágio, sendo o montante global máximo do encaixe autorizado de 70.038.277,67 euros [70,04 milhões de euros]”, refere o comunicado da Pharol.

A Pharol acrescenta que “o montante concreto do aumento ficou pendente de definição por parte do Conselho de Administração, em função das condições de mercado existentes e consoante se revelasse necessário para permitir a participação da Pharol no aumento do capital social da Oi, empresa  que está em recuperação judicial”.

Isto porque, “atualmente, as condições de mercado não se apresentam propícias à realização, pela Pharol, de um aumento do seu capital social”.

No entanto a empresa não desiste de acompanhar o aumento de capital da Oi. A Pharol diz que “adicionalmente, a sociedade dispõe de outros instrumentos para acautelar os seus interesses ao nível
da Oi, podendo a participação da Pharol no aumento do capital social da Oi ser prosseguida com uma gestão combinada das disponibilidades de caixa, dos direitos de subscrição preferencial e das ações Oi”.

 

Por isso, a administração da empresa,  no dia 7 de Dezembro de 2018, “deliberou não fazer uso da autorização para aumentar o capital social da Pharol, com aquela finalidade”.

Neste momento, encontra se em curso o procedimento tendente ao aumento do capital social da Oi, o qual decorrerá até 31 de dezembro de 2018.

Em comunicado divulgado pela Oi ontem, foi anunciada a prorrogação do prazo para exercício do direito de preferência no aumento de capital de 4 mil milhões de reais (903,5 milhões de euros), o chamado Aumento de Capital –Novos Recursos,  até 4 de janeiro. Trata-se de um extensão de nove dias face ao prazo inicial.  Inicialmente, o exercício poderia ser feito até 26 de dezembro deste ano.

Recomendadas

Grupo Stellantis e DST Solar nas Agendas Mobilizadoras

A inovação verde para a indústria automóvel passa pelas Agendas Mobilizadoras. O ISQ&CTAG irá investir 6,2 milhões de euros.

TAAG recebe aviso de greve dos pilotos com início a 7 de outubro

O Sindicato de Pilotos de Linha Aérea (SPLA) decretou uma greve a partir de 7 de outubro, tendo já sido enviado o aviso de greve à TAAG – Linhas Aéreas de Angola na sexta-feira, anunciou este sábado a companhia aérea angolana.

Infraestruturas de Portugal registou lucro de 32,4 milhões no primeiro semestre

Este valor significa uma recuperação de 71,3 milhões de euros em comparação com os prejuízos de 38,9 milhões de euros verificados no mesmo período de 2021.
Comentários