Phenix assegura 15 milhões de euros para reduzir o desperdício alimentar

Com este apoio financeiro, a Phenix, que faz parte do movimento Tech For Good, espera atingir a meta dos 10 milhões de downloads na sua aplicação móvel anti desperdício e poupar mil milhões de refeições de serem desperdiçadas até 2024.

A Phenix, uma das marcas líderes no combate ao desperdício na Europa, presente em Portugal desde 2016, garantiu recentemente uma nova ronda de investimentos, no valor de 15 milhões de euros, que vai permitir reduzir o desperdício alimentar e promover um novo modelo de crescimento justo, sustentável e mais lucrativo.

“A empresa presta suporte aos seus clientes na gestão eficiente de stocks e conversão de excedentes alimentares em doações a IPSS, com recurso a soluções tecnológicas, pretende fortalecer a sua posição de liderança na Europa e tornar-se no parceiro de referência para supermercados, fábricas, retalhistas e produtores de alimentos que desejam colocar a luta contra o desperdício alimentar no centro das suas estratégias de negócio e de responsabilidade social corporativa”, informa o comunicado.

Com este apoio financeiro, a Phenix, que faz parte do movimento Tech For Good, espera atingir a meta dos 10 milhões de downloads na sua aplicação móvel anti desperdício e poupar mil milhões de refeições de serem desperdiçadas até 2024.

“A empresa ambiciona juntar-se em breve à jovem comunidade promissora de “unicórnios de impacto”, não apenas com base em critérios de valorização financeira, mas também pelo seu inerente impacto extrafinanceiro significativo”, refere a nota.

Esta ronda de financiamento permitiu a entrada de “três novos investidores no sector da tecnologia para o combate às alterações climáticas: o BNP Paribas Solar Impulse Venture Fund, que investe em startups que atuam em prol da transição ecológica, o BNP Paribas Asset Management, através de um fundo dedicado à economia social e solidária, e o Lombard Odier Investment Managers Sustainable Investments, através do seu franchise Private Equity.

Para além disso, a Phenix continua a contar com o apoio dos seus históricos shareholders, que confirmam a sua confiança na equipa de gestão da organização, tendo reforçado o seu compromisso através da participação nesta nova ronda: a INCO Ventures, a ETF Partners, a Danone Manifesto Ventures e o Smart Cities Fund, administrado pela Bpifrance em nome do governo francês, como parte da França 2030”.

“Num momento em que os investidores procuram menos hipercrescimento e mais caminhos sustentáveis para a rentabilidade, esta ronda confirma a relevância e a força do modelo económico da Phenix. Vamos obter um progresso incrível no nosso impacto social e ambiental, mantendo um modelo de crescimento equilibrado, que, na minha opinião, se tornará o padrão nos próximos anos”, disse Jean Moreau, cofundador e presidente da Phenix.

Frederico Venâncio, diretor-geral da Phenix em Portugal, refere que este ano, a nível nacional “a Phenix já foi responsável por evitar o desperdício de mais de 10 milhões de refeições e de mais de 3900 toneladas de produtos não alimentares, evitando assim que fossem emitidas mais de nove mil toneladas de CO2 para a atmosfera”.

“A participação de investidores de renome, em mais uma ronda de investimentos, demonstra não só a confiança na visão e valores da Phenix, mas também a vontade crescente e representativa que as empresas têm atualmente de investir num caminho mais ecológico e equilibrado, mantendo o respeito por três pilares importantes: ‘planet, profit and people'”, conclui.

O comunicado destaca que, segundo a Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura, “um terço dos alimentos em todo o mundo é desperdiçado ao longo da cadeia de valor, representando um total de 1,3 mil milhões de toneladas de alimentos, por ano.

Em 2014, Jean Moreau e Baptiste Corval, dois empresários franceses, fundaram a Phenix com o objetivo de acabar com este desastre social, ambiental e económico. Atualmente a operar em cinco países europeus, a empresa já evitou que mais de 200 milhões de refeições acabassem no lixo”.

Recomendadas

Fitch Rating antecipa ano desastroso para o sector imobiliário

Os países que preferiram as taxas variáveis e permitiram um forte aumento do preço das casas estão especialmente vulneráveis à inflação e à queda da procura. Portugal não faz parte do estudo, mas tem tudo para fazer parte do pior cenário.

Revolut nomeia Elisabet Girvent para responsável de vendas em Espanha e Portugal

O seu objetivo passa por continuar a expandir os serviços da Revolut Business na região. A Revolut Business é o serviço bancário empresarial da Revolut. Esta solução encontra-se em funcionamento desde 2017 e foi concebida para atender às necessidades de start-ups, PME familiares e grandes empresas tecnológicas.

Noção de mercados emergentes na banca está morta, diz McKinksey. Ásia concentra crescimento

Os bancos na Ásia-Pacífico podem ganhar com uma perspectiva macroeconómica mais forte, enquanto que os bancos europeus enfrentam uma perspectiva mais sombria. “No caso de uma longa recessão, estimamos que a rendibilidade dos bancos a nível mundial possa cair para 7% até 2026 e para baixo dos 6% nos bancos europeus”, diz a Mckinsey.
Comentários