PJ investiga ramificações do ‘Cartel do Fogo’ em Portugal

Em Espanha já foram detidas mais de duas dezenas de pessoas. Empresas combinavam preços e vendiam os serviços a Portugal por três vezes mais.

Seis das principais empresas espanholas de combate aos fogos manipulam (pelo menos) desde 2006 os contratos públicos com Portugal com ofertas falsas para garantir que conseguem ganhar todas as licitações, segundo uma investigação do jornal ‘El Español’, noticiada pelo Jornal Económico no dia 23 de junho.

Também a justiça portuguesa está a investigar essas ramificações do chamado Cartel de Fogo em Portugal, conta hoje o jornal Público.

De acordo com a investigação, o método de manipulação era muito simples. As empresas decidiam de antemão o vencedor de cada concurso, e, ao mesmo tempo, as outras empresas apresentavam propostas falsas para garantir que a empresa escolhida pelo cartel ganharia.

Segundo as mais recentes investigações sobre o caso, as autoridades concluíram que o esquema vai para além dos meios aéreos de combate ao fogo. Também o transporte de doentes urgentes é controlado pelo cartel. Os empresários aéreos terão corrompido vários responsáveis das autoridades locais do PSOE e do PP. Em Portugal fala-se de um facilitador de negócios, cuja identidade ainda não é conhecida.

O caso tornou-se público quando Francisco Alandí, um antigo funcionário de uma das empresas do centro do cartel, a Avialsa, denunciou o esquema. Como prova revelou documentos, entre eles e mails que remontam a 2010, em que o antigo patrão deixa bem claro as suas intenções:  “Ganhar seja como for o concurso deste ano. Temos o apoio do grupo de empresas espanholas para fazer e desfazer o que quisermos em Portugal. Depois da campanha de 2010, devemos focar-nos no ataque de 2011 (…) Este ano temos o nosso prato forte em Portugal. E vamos atacar com todo o arsenal disponível.”

Em Portugal as investigações estão a cargo da Polícia Judiciária.

Relacionadas

Portugal contratou cartel espanhol para combater fogos (a pagar três vezes mais)

Serviço contratado pelo Governo português tem um custo três vezes superior ao de serviço, segundo uma investigação do jornal espanhol ‘El Español’
Recomendadas

Tribunal quer ouvir deputado Pinto Moreira por suspeita de corrupção passiva e prevaricação

O parecer da Comissão de Transparência e Estatuto dos Deputados, noticiado pelo Expresso, e ao qual a agência Lusa teve acesso, será votado hoje em reunião desta comissão e indica que o juiz pede autorização ao parlamento para que Pinto Moreira seja constituído “como arguido e interrogado como tal”.

Juiz recusa novas condições de fiança para o fundador da FTX

O juiz Lewis Kaplan recusou a nova proposta dos advogados para as condições de fiança de Sam Bankman-Fried.

Conselho Superior da Magistratura confirma segundo processo disciplinar a Ivo Rosa

O Conselho Superior da Magistratura (CSM) confirmou hoje que correm dois processos disciplinares contra o juiz Ivo Rosa, adiantando que o segundo resulta da “conversão de um inquérito em processo disciplinar”.
Comentários