Pondera comprar carro elétrico? Conheça as 13 respostas aos ‘mitos’ que circulam no mercado

Com o objetivo de ajudar os portugueses a tomarem uma decisão mais informada sobre as alternativas elétricas, a MOBI.E, propôs-se a desmitificar um conjunto de 13 mitos associados aos VE’s.

À medida que o apetite por veículos elétricos (VE’s) aumenta, os mitos que condicionam o sector ganham força e afastam muitos compradores, mal informados, das alternativas mais económicas e sustentáveis que a indústria automóvel tem para oferecer.

Com o objetivo de ajudar os portugueses a tomarem uma decisão mais informada sobre as alternativas elétricas, a MOBI.E, propôs-se a desmitificar um conjunto de 13 mitos associados aos VE’s.

‘Os veículos elétricos são mais caros’

Os carros elétricos estão a ficar economicamente atrativos. Um veículo destes pode apresentar os mesmos valores que um equivalente a gasóleo ou gasolina, para as mesmas características e nível de equipamento. O preço da bateria desceu em cerca de 80% nos últimos dez anos. Além disso, existe o direito a benefícios fiscais e um menor custo de manutenção, o que faz com que os custos totais sejam menores.
 
‘Não existem postos de carregamentos suficientes’

Existem muitas alternativas de carregamento. O número de postos de carregamento para VE’s está a aumentar rapidamente. A rede Mobi.E conta com mais de 2.485 postos de carregamento, três quartos dos quais são carregadores de CA, disponibilizando um total de 5.100 tomadas. Cada vez é maior o número de empresas que disponibilizam postos de carregamento aos seus funcionários e clientes, havendo ainda a possibilidade de realizar carregamentos domésticos.

‘O processo de carregamento é muito longo’

Um veículo está estacionado, em média, mais de 90% do tempo, nomeadamente em casa ou no trabalho, pelo que se carregar neste período, o utilizador não sente o tempo de carregamento. O tempo de carregamento é importante em deslocações longas, e para estas situações o utilizador tem já à sua disposição estações de carregamento de alta potência, que fazem com que o tempo de espera seja reduzido.

‘Os veiculos elétricos não fazem longas viagens’

Os veículos elétricos não são unicamente direcionados a fazer viagens de curta duração. Os veículos mais recentes apresentam autonomias em torno dos 400 km, podendo chegar a 700 ou 800 km, o que é mais do que suficiente para longas viagens.

‘Os veículos elétricos são perigosos’

Os veículos elétricos possuem o grau de segurança mais alto, como os carros convencionais. Têm sistemas de segurança que evitam o risco de incêndio ou de choque elétrico; por exemplo, no caso de acidente, o fluxo de eletricidade da bateria para imediatamente.

‘Os veículos elétricos não contribuem para o ambiente’

Estes veículos têm a menor pegada ecológica de todo o tipo de veículos no mercado. Contribuem para a proteção do ambiente, pois não emitem dióxido de carbono e outros tipos de gases. À medida que a utilização de veículos elétricos aumenta, cada vez são mais os estudos que demonstram que estes veículos são ambientalmente mais eficientes ao longo de todo o ciclo de vida.

‘Muitos veículos elétricos irão sobrecarregar a rede’

Os veículos elétricos também garantem o fornecimento seguro de energia. Um estudo feito na Alemanha demonstrou que, mesmo que se começasse a conduzir mais de um milhão de veículos elétricos, a sua rede elétrica era capaz de dar resposta. Já a Noruega, país com maior utilização de carros elétricos, demonstra que não há necessidade em se preocupar com o fornecimento de eletricidade.

‘A mobilidade elétrica retira emprego’

Fabricar um veículo elétrico exige menos 30% de esforço do que produzir um com motor de combustão. A longo prazo, poderia existir menos empregos na indústria automobilística. No entanto, o sucesso dos veículos elétricos manterá esta indústria em total funcionamento. Além disso, cria novos empregos para a produção, instalação, operação e manutenção dos postos de carregamento, para o desenvolvimento de soluções tecnológicas específicas.

‘Veículos elétricos são perigosos para os peões’ 

Ao contrário dos carros com motor a combustão, os veículos elétricos são mais silenciosos. Com uma velocidade abaixo dos 30 km/h, estes veículos normalmente produzem sons artificiais. Em velocidades mais elevadas, o ruído gerado pelos pneus é suficiente para os peões ficarem cientes da presença de carros.

‘Não são rápidos’

Os motores elétricos têm muita potência, a qual está totalmente disponível desde o início da aceleração. É possível porque este tipo de motores têm acesso ao torque desde o início e possui estabilidade dinâmica na estrada.

‘Não são visualmente atraentes’

Ao longo do tempo, os carros elétricos foram inovando o seu design, que até então era bastante comum. Atualmente, a maioria dos carros apresenta um modelo e design futurístico, com elementos leves e elegantes.

‘Não existem matérias-primas suficientes’

Mediante a tecnologia atual, a quantidade de lítio existente é suficiente para produzir baterias para bilhões de carros. Além disso, as baterias antigas são recicladas (‘a longo prazo é possível alcançar uma taxa de reciclagem de até 97%).

Recomendadas

Respostas Rápidas: como deve investir a pensar na reforma?

Com uma estrutura demográfica cada vez mais envelhecida, as dúvidas em torno da sustentabilidade da Segurança Social no médio-prazo reforçam o papel da poupança privada no rendimento dos portugueses em reforma, pelo que importa compreender os vários instrumentos financeiros ao seu dispor.

Respostas rápidas: é assim que pode ir para a reforma antes dos 66 anos e sete meses

Não tem 66 anos e sete meses, mas quer ir para a reforma? Há vários regimes que permitem a antecipação da pensão de velhice. O Jornal Económico explica, com base num guia do ComparaJá.

Preço médio das casas do Canadá vai custar perto de 500 mil euros até ao fim de 2023

Aumento das taxas de juro acima do previsto pelo Banco do Canadá estão a fazer com que os custos com a habitação consumam 60% das finanças das famílias, o valor mais elevado desde 1990.
Comentários