Portagens: saiba quais as passagens que vão aumentar a partir de janeiro

Empresa deu a conhecer preços de portagens na rede que lhe está concessionada a partir de 1 de Janeiro de 2019, e revela que de um total de 500 tarifas que tem em vigor, só vão existir atualizações em 111 casos.

A Infraestruturas de Portugal (IP) deu a conhecer esta sexta-feira através de um comunicado a atualização dos preços de portagens na rede que lhe está concessionada a partir de 1 de Janeiro de 2019. De um total de 500 tarifas que tem em vigor, só vão existir actualizações em 111 casos, ou seja, em 22% das tarifas.

Na maioria das auto-estradas cuja receita é da IP, não vai haver aumentos de portagens na Classe 1 na maioria das auto-estradas. Contudo, existem situações como a concessão interior Norte, em que atravessar a totalidade da A24 vai custar mais 0,15 euros para a classe 1 (passa a custar 10,75 euros) e 0,20 euros para a classe 4 (passa a valer 26,95 euros). No caso da A22, no Algarve, passa dos 8,85 euros para os nove euros, com um aumento de 0,15 euros na classe 1.

A concessão Beira Litoral e Alta (A25) é a que sofre um maior aumento, já que os veículos da Classe 1 passam a gastar mais 25 cêntimos para ir de Aveiro a Vilar Formoso que custará 11,90 euros contra os atuais 11,65 euros.

Passar o Túnel do Marão vai custar os mesmos 2,05 euros na Classe 1, com aumentos de cinco cêntimos nas restantes três classes. Na Concessão da Grande Lisboa, vai existir uma atualização de 0,10 euros, para os veículos da Classe 2.

Estes aumentos foram calculados com base no valor do Índice de Preços do Consumidor, sem o valor de habitação, conhecido até 15 de Novembro, revelados pelo Instituto Nacional de Estatística (INE). Para 2019, o INE apurou uma média de 0,88%.

Recomendadas

Ministra sinaliza que trabalhadores que recebem salário mínimo não terão perda de poder de compra em 2023

Vem aí uma “negociação intensa”, antecipou a ministra do Trabalho, à saída da reunião em que apresentou aos parceiros sociais as propostas do Governo para o acordo de rendimentos. Entre elas, está a vontade que o salário mínimo suba mais do que a inflação.

Fenadegas pede apoio para adegas cooperativas e produtores de vinho

A Fenadegas diz que “contrariamente às expetativas criadas, nas medidas anunciadas pelo governo para colmatar os efeitos negativos desta crise, não foi previsto nenhum apoio específico para os produtores de vinho e suas unidades de vinificação”.

Goldman Sachs prevê queda de 1% do PIB da zona euro até ao segundo trimestre

“Os sectores químico e automóvel da Alemanha confirmam que o ritmo de paralisações por causa do aumento dos custos de energia provavelmente acelerará”, reforçam os economistas do Goldman Sachs.
Comentários