Portos da Madeira ponderam descer taxas portuárias

Número de passageiros e cruzeiros no Funchal tem diminuído, em consequência do reposicionamento de navios em mercados emergentes.

A quebra registada, nos últimos três anos, no número de navios cruzeiro e de passageiros pode vir a justificar uma descida das taxas portuárias no porto do Funchal.

Patrícia Bairrada, gestora comercial da Administração dos Portos da Região Autónoma da Madeira (APRAM), admitiu, esta quarta-feira, que o número de escalas no porto do Funchal tem caído, em consequência do novo perfil de passageiros e do reposicionamento de navios em mercados emergentes como o asiático.

A gestora comercial avança que estão a ser tomadas medidas para recuperar, entre 5 a 6 anos, as perdas registadas e que isso deve levar a uma agilização ao nível do tarifário como incentivo à procura pela Região.

Não obstante a atual conjuntura, Patrícia Bairrada considera que as perspetivas para os próximos anos são positivas, já que a construção de novos navios deverá reposicionar, em 2022, mais cruzeiros para a Região.

Recomendadas

Curso de Catástrofe na Madeira forma 167 profissionais

O Secretário Regional de Saúde e Proteção Civil, Pedro Ramos, também acompanhou e participou em alguns dos exercícios de simulação dinamizados nesta edição que foi também um teste à operacionalidade do Plano Regional de Emergência de Proteção Civil da RAM.

PAN reivindica plano de acessibilidade pedonal para o Funchal

O partido considera que a falta de passeios e o excesso de poluição nos acessos às escolas e nas suas áreas envolventes é um dos “grandes problemas” no município do Funchal.

PS quer criar Polícia Municipal no Funchal

Com a Polícia Municipal o PS pretende que o Funchal “esteja munido de um instrumento que visa dar uma melhor resposta na área da fiscalização e ocupação do espaço público, nas questões relacionadas com o policiamento e com o trânsito, num trabalho desenvolvido conjuntamente com o Comando Regional da Polícia de Segurança Pública e demais autoridades competentes”.
Comentários