Portugal e Guiné Equatorial assinam protocolo para ensino da língua portuguesa

O Instituto Camões e a Universidade Nacional da Guiné Equatorial assinaram um protocolo que marca o início da cooperação em matéria de promoção da língua portuguesa por parte de entidades portugueses naquele país da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa.

O Instituto Camões e a Universidade Nacional da Guiné Equatorial assinaram um protocolo que marca o início da cooperação em matéria de promoção da língua portuguesa por parte de entidades portugueses naquele país da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), anunciou hoje o Governo português.

“O protocolo consigna a criação de um Leitorado de Português e de um Centro de Língua Portuguesa/Camões, na Universidade Nacional da Guiné Equatorial, tendo já sido selecionada a docente que irá assegurar o desenvolvimento de uma licenciatura e de um curso secundário em Estudos Portugueses. O protocolo estabelece ainda a criação de projetos no domínio da formação de docentes de Português como língua estrangeira”, informa o Governo através de comunicado.

O protocolo foi assinado na capital da Guiné Equatorial, Malabo, pelo encarregado de negócios de Portugal, Manuel Grainha do Vale, e pelo reitor da universidade, Filiberto Ntutumu Nguema Nchama, com a presença do ministro delegado dos Assuntos Exteriores e Cooperação da Guiné Equatorial, Bonifácio Mitogo Bindang.

Recomendadas

São Tomé/Eleições: Observadores da CPLP dizem que votação correu “acima das expetativas”

No total, onze partidos e movimentos, incluindo uma coligação, concorrem este domingo aos 55 lugares da Assembleia Nacional de São Tomé e Príncipe.

Bancos libaneses reabrem portas na segunda-feira só para serviços específicos

A decisão de reabrir, embora com limitações “a determinar por cada banco”, de acordo com a declaração da Associação Bancária, foi atribuída pela associação à “necessidade de garantir a continuidade dos serviços aos clientes” e de “assegurar os salários dos setores público e privado”.

Polícia usa gás lacrimogéneo para impedir manifestantes de chegar a embaixada do Irão em Paris

No sábado já tinha decorrido um outro protesto em Paris, na Place du Châtelet, que também contou com centenas de participantes.
Comentários