Portugal é o sétimo país da UE com mais novos casos diários por milhão de habitante

O país da UE com média superior de novos casos continua a ser a Dinamarca, particularmente afetada pela nova variante Ómicron.

Câmara Municipal de Lisboa

Portugal é esta semana o 7.º país da União Europeia (EU) com mais casos diários de contágio por SARS-CoV-2 por milhão de habitantes a sete dias, segundo o ‘site’ estatístico Our World in Data.

Esta semana o país subiu de 433 novos casos diários para 768 por milhão de habitantes, deixando de ser o 11.º país da UE com menos novos casos para passar a ocupar o 7.º lugar na lista dos estados-membros em pior situação epidemiológica.

O país da UE com média superior de novos casos continua a ser a Dinamarca, particularmente afetada pela nova variante Ómicron do vírus responsável pela covid-19, e que passou dos 1.550 para os 2.090 novos casos diários por milhão de habitantes.

Seguem-se Malta, que subiu de 409.94 casos para 1.220, a Irlanda (sobe de 945 para 1.050), França (sobe de 783 para 1.040) e Espanha (sobe de 597 para 904).

A média da UE de novos casos diários por milhão de habitantes situa-se agora nos 576 (era 541 na semana passada), muito acima da média mundial de 94 novos casos.

Entre os países do mundo com mais de um milhão de habitantes a Dinamarca repete-se como o país com o número mais elevado de casos nos últimos sete dias, seguida do Reino Unido (1.470), Irlanda, França e Suíça (1.010).

No que toca às mortes diárias por milhão de habitantes, alguns dos países da União com mais novos casos estão, por outro lado, entre aqueles onde a covid-19 tem provocado menos mortes.

É o caso de Portugal, que passou de 8.º para 5.º país da UE com menos óbitos atribuídos à covid-19, com uma média diária de 1,35 nos últimos sete dias, melhorando em relação à média de 1,69 da semana passada.

Em melhor situação, estão apenas o Chipre (1,28), Malta (1,11), Espanha (1,08) e Suécia (0,55).

Neste indicador, a média europeia é 3,86, e os piores números a nível europeu situam-se maioritariamente a leste: Hungria (13,80), Croácia (12,04), Polónia (11,74), Bulgária (10,19) e Eslováquia (10.05).

A nível mundial, registaram-se globalmente 0,9 novas mortes diárias por milhão de habitantes atribuídas à covid-19.

Trindade e Tobago é o país com média mais elevada de óbitos (19,14), seguindo-se a Geórgia (15,83), Hungria, Croácia e Polónia.

A covid-19 provocou mais de 5,39 milhões de mortes em todo o mundo desde o início da pandemia, segundo o mais recente balanço da agência France-Presse.

Em Portugal, desde março de 2020, morreram 18.874 pessoas e foram contabilizados 1.279.785 casos de infeção, segundo dados da Direção-Geral da Saúde.

A doença respiratória é provocada pelo coronavírus SARS-CoV-2, detetado no final de 2019 em Wuhan, cidade do centro da China, e atualmente com variantes identificadas em vários países.

Uma nova variante, a Ómicron, classificada como preocupante pela Organização Mundial da Saúde (OMS), foi detetada na África Austral, mas desde que as autoridades sanitárias sul-africanas deram o alerta, a 24 de novembro, foram notificadas infeções em pelo menos 89 países de todos os continentes, incluindo Portugal.

Relacionadas

Portugal regista 6.334 casos e 16 mortes por Covid-19

Estão internadas mais 36 pessoas, para um total de 914. Em UCI encontram-se agora 150 doentes (menos um).

“Processo tem sido extraordinário”. Costa assinala um ano desde o arranque do processo de vacinação

O primeiro-ministro assinalou hoje o “momento histórico” da administração da primeira vacina contra a Covid-19 em Portugal, há um ano, e renovou o apelo à vacinação, frisando que salva vidas.
Recomendadas

OE2023: Presidente da República recebe partidos na quarta-feira

O Governo apresentou hoje o seu cenário macroeconómico aos partidos com assento parlamentar, três dias antes de entregar a proposta de Orçamento do Estado para 2023 na Assembleia da República.

Portugal registou 14.852 casos e 45 mortes de Covid-19 na última semana

Todas as regiões do país registaram menos casos do que na semana anterior.
Comentários