Portugal entre os melhores no Índice Global de Paz apesar de descida ligeira (com áudio)

Islândia e Nova Zelândia mantêm os dois primeiros lugares, seguidos pela Irlanda, que subiu três posições, ultrapassando a Dinamarca e Portugal. A Áustria também melhorou, para a 5.º posição.

Portugal desceu uma posição no Índice Global de Paz de 2022, para sexto lugar entre 163 países, devido a um aumento da criminalidade e instabilidade política, segundo o relatório do Instituto de Economia e Paz (IEP).

Islândia e Nova Zelândia mantêm os dois primeiros lugares, seguidos pela Irlanda, que subiu três posições, ultrapassando a Dinamarca e Portugal. A Áustria também melhorou, para a 5.º posição.

O fundador e diretor do IEP, Steve Killelea, desvalorizou a descida de Portugal, a qual atribuiu a “uma maior taxa de detenções, ligeiro aumento nas taxas de homicídio, um ligeiro aumento na instabilidade política e um ligeiro aumento nas perceções de criminalidade”.

O Afeganistão é o país menos pacífico do mundo pelo quinto ano consecutivo, seguido pelo Iémen, Síria, Rússia e Sudão do Sul, países que estão entre os dez piores nos últimos três anos.

Devido à guerra em curso, entre os cinco países com as maiores deteriorações na paz estão a Rússia e a Ucrânia, juntamente com a República da Guiné, Burkina Faso e Haiti, também palco de conflitos.

O relatório indica que o mundo já começou a recuperar da pandemia de covid-19, mas que os efeitos ainda estão a ser sentidos, nomeadamente nos atrasos e problemas das cadeias de abastecimento, falta de produtos, preços mais elevados da energia e dos produtos alimentares.

O aumento da inflação, sobretudo na alimentação e combustíveis, “aumentou a insegurança alimentar e a instabilidade política globalmente, mas especialmente em regiões de baixa resiliência, como África Subsaariana, Sul da Ásia e Médio Oriente e Norte de África”, escreveram os autores.

“É nessas condições já instáveis que a Rússia lançou um ataque à Ucrânia em fevereiro de 2022. O conflito só vai agravar ainda mais esses problemas. O conflito vai acelerar a inflação global, com as sanções ocidentais contribuindo ainda mais para a escassez e aumentos de preços”, preveem.

Segundo o IEP, a paz piorou nos últimos catorze anos e, dos 163 países analisados no Índice, 84 registaram deterioração, enquanto 77 registaram melhorias e dois não registaram alteração.

O Índice Global de Paz, atualmente 16ª edição, faz uma análise sobre as tendências da paz, o valor económico e como desenvolver sociedades pacíficas, usando 23 indicadores qualitativos e quantitativos em três domínios: o nível de segurança e proteção social, a dimensão do Conflito Doméstico e Internacional em Curso, e o grau de militarização.

Recomendadas

França nega “obstáculo” às exportações russas e vê “instrumentalização”

A presidência francesa defendeu hoje que não existe “obstáculo” às exportações de produtos agrícolas russos, considerando as críticas nesse sentido do chefe de Estado da Rússia, Vladimir Putin, uma tentativa de “instrumentalização política”.

EUA propõem Zelensky na cimeira do G20 se Putin também participar

Os EUA propuseram que o presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, também participe na cimeira dos líderes do G20 se o seu homólogo russo, Vladimir Putin, aceitar o convite da Indonésia e comparecer na reunião, marcada para novembro em Bali.

Líder da junta de Myanmar disposto a negociar com Suu Kyi após julgamento

O líder da junta no poder em Myanmar declarou-se hoje disposto a negociar pós-julgamento com a ex-dirigente Aung San Suu Kyi uma solução para a crise desencadeada no país pelo golpe de estado militar de 2021.
Comentários