Portugal tem menor taxa de empregos disponíveis na zona euro

Segundo o gabinete oficial de estatísticas da UE, as menores taxas de emprego disponíveis foram registadas em Portugal e Espanha (0,7% cada), na Grécia, na Bulgária e na Polónia (0,8% cada).

A taxa de empregos disponíveis na zona euro estabeleceu-se nos 1,6% no terceiro trimestre, um valor que ficou abaixo ao do trimestre anterior mas acima do período homólogo de 2015, tendo Portugal registado a taxa mais baixa (0,7%), divulga o Eurostat.

Entre julho e setembro, a taxa de empregos disponíveis na zona euro subiu 0,1 pontos em termos homólogos (para os 1,6%), mas recuou 0,1 pontos face ao segundo trimestre. Em Portugal manteve-se, foi de 0,7%, estável face ao trimestre anterior mas acima da do mesmo período de 2015 (0,6%).

No conjunto dos 28 Estados-membros da União Europeia (UE), a taxa de empregos disponíveis foi de 1,8% no terceiro trimestre do ano, estável na variação em cadeia e 0,2 pontos percentuais acima da homóloga.

As menores taxas de emprego disponíveis foram registadas em Portugal e Espanha (0,7% cada), na Grécia, na Bulgária e na Polónia (0,8% cada).

Segundo o gabinete oficial de estatísticas da UE, as taxas mais elevadas verificaram-se na República Checa (3,1%), na Bélgica (2,9%), no Reino Unido (2,5%), na Alemanha (2,3%).

Recomendadas

Moçambique baixa receitas fiscais do gás ao fundo soberano para 40%

Moçambique deverá ser um dos maiores exportadores mundiais de gás a partir de 2024, beneficiando não só do aumento dos preços, no seguimento da invasão da Ucrânia pela Rússia, mas também pela transição energética.

PCP defende aumento do salário mínimo nacional para 850 euros em janeiro

O secretário-geral do PCP acusou o Governo de querer “retomar todos os caminhos da política de direita, fazer comprimir ainda mais os salários, facilitar a exploração, abrir espaço para os negócios privados na saúde e na educação, condicionando ou justificando as suas opções com as orientações e imposições da União Europeia e do euro”.

Irão: Impacto das sanções dos EUA prejudica cooperação com Portugal

Mortza Damanpak Jami destaca que as relações comerciais podem sair afetadas, mas as culturais têm-se desenvolvido, com “muitas oportunidades e muitos programas ligados à cultura”.
Comentários