Portugal preocupado com decisão dos EUA de transferir Embaixada em Israel para Jerusalém

O ministro dos Negócios Estrangeiros português defende que devem ser evitadas quaisquer tomadas de posição unilaterais que fragilizem os esforços em prol solução dos dois Estados, baseada na coexistência pacífica, lado a lado, de Israel e da Palestina.

O Governo português vê com “muita preocupação” a decisão tomada pelos EUA de transferir para Jerusalém a sua Embaixada em Israel, defende o gabinete do ministro dos Negócios Estrangeiros.

Em comunicado, o ministro Augusto Santos Silva recorda que Portugal é defensor da solução dos dois Estados, baseada na coexistência pacífica, lado a lado, de Israel e da Palestina.

“Esta é a única solução possível para a questão israelo-palestiniana. O estatuto da cidade de Jerusalém é central na resolução desta questão”, frisa o governante, realçando que  o Executivo português entende, assim, que devem ser evitadas quaisquer tomadas de posição unilaterais que “fragilizem os esforços em prol daquela solução”.

O comunicado termina com a garantia do ministro dos Negócios Estrangeiros de que Portugal manterá a sua representação diplomática em Telavive, em conformidade com o princípio, consagrado em resoluções do Conselho de Segurança das Nações Unidas, segundo o qual o estatuto de Jerusalém deve ser definido entre israelitas e palestinianos, no quadro das negociações sobre o Processo de Paz no Médio Oriente.

Relacionadas

Capitais dos Estados: como são escolhidas e o que representam

Alavancada na enorme polémica em torno do reconhecimento de Jerusalém como capital de Israel por parte dos Estados Unidos, a britânica BBC produziu um ensaio sobre o significado de capital.

Jerusalém: Todos os partidos nacionais condenam decisão de Trump

O parlamento aprovou com votos favoráveis de todas as bancadas um voto que “condena o reconhecimento de Jerusalém como capital do Estado de Israel pelo presidente dos Estados Unidos”.

Terceira Intifada: dia 8 de dezembro será “um dia de ira”, avisa Hamas

O anúncio surge um dia depois do presidente norte-americano, Donald Trump, ter reconhecido a cidade de Jerusalém como a capital de Israel.

UE: anúncio de Trump pode trazer “tempos mais sombrios”

O anúncio do chefe de Estado norte-americano pode “levar-nos a tempos ainda mais sombrios do que os que vivemos hoje”, segundo a chefe da diplomoção da União Europeia.

Jerusalém: Conselho de Segurança da ONU vai reunir de urgência amanhã

O encontro realiza-se depois de os Estados Unidos da América se terem tornado no único país do mundo a reconhecer Jerusalém como capital de Israel.

Jerusalém: Israel destaca reforços militares na Cisjordânia após anúncio de Trump

O exército israelita anunciou hoje que vai destacar forças suplementares na Cisjordânia, território palestiniano ocupado, após a decisão do Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, de reconhecer Jerusalém como a capital de Israel.
Recomendadas

Suécia vai à Turquia debater a extradição dos dissidentes

Tema central para que a Turquia levante qualquer restrição à entrada da Suécia e da Finlândia na NATO, Ancara tem-se queixado de que os países nórdicos fazem pouco para cumprir o acordado. O no governo sueco será certamente mais recetivo.

Vice-ministro talibã quer as meninas afegãs de regresso à escola

Sher Mohammad Abbas Stanikzai parece estar em dissonância face à esmagadora maioria do governo, que admite abrir as escolas ao sexo feminino mas nunca chegou a fazê-lo.

Dezenas de milhares de russos fogem para a Geórgia, Cazaquistão e Arménia

Por não exigirem visto para cidadãos russos, a Geórgia e a Arménia têm sido um destino importante para os russos em fuga desde o início da guerra iniciada em 24 de fevereiro.
Comentários