Portugal reforça posição na Agência Espacial Europeia

Este investimento visa reforçar a participação de empresas e instituições científicas e tecnológicas portuguesas em novos programas da ESA.

Com o objetivo de “consolidar e reforçar uma nova agenda científica, tecnológica e empresarial” para estimular a presença no Espaço, Portugal vai aumentar a sua subscrição na ESA em 30,50 milhões de euros para os próximos seis anos. Trata-se de um acréscimo de 43% face ao montante atualmente comprometido para o período 2017-2022.

A Fundação para a Ciência e Tecnologia é responsável por cerca de 25% desse aumento, estando a restante subscrição associada à contribuição dos Ministérios da Economia, do Planeamento e Infraestruturas.

O anúncio feito no Conselho Ministerial da Agência Espacial Europeia (ESA), que se iniciou ontem e termina esta sexta-feira, pelo ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Manuel Heitor, no qual participa também o Presidente da Fundação para a Ciência e a Tecnologia.

De acordo com o Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, o aumento da subscrição de Portugal na ESA permitirá reforçar a participação de empresas e instituições científicas e tecnológicas de Portugal nos seguintes eixos programáticos:

1-      Plataforma Atlântica

  1. Reforço do Programa de Observação da Terra (EOEP e GMECV) e SSA (Space Situational Awareness) para desenvolvimento de Serviços para o Atlântico, relacionados com o desenvolvimento do futuro Centro de Investigação Internacional do Atlântico (AIR Center, “Atlantic International Research Center”);

2-      Porto Espacial

  1. Reforço do Programa de Lançadores de satélites (Space Rider, VEGA E e FLPP) para explorar o potencial dos Açores para albergar um porto espacial e permitir a entrada de instituições e de empresas de Portugal no desenvolvimento de pequenos lançadores, designadamente no âmbito do futuro Centro de Investigação Internacional do Atlântico (AIR Center, “Atlantic International Research Center”);

3-      Desenvolvimento Científico

  1. Subscrição pela primeira vez do Programa PRODEX de modo a permitir e estimular que investigadores de instituições científicas e académicas nacionais liderem projetos relacionados com instrumentação científica e tecnológica.

4-       Desenvolvimento Tecnológico

  1. Reforço do programa Tecnológico GSTP e da missão AIM (missão inovadora de estudo de Asteroides em parceria com a NASA), em que Portugal dará contributo tecnológico essencial para a missão (Laser para Altimetria, Intersatellite Link e parte do sistema de GNC – Guidance Navigation and Control);
  2. Reforço do programa de Exploração (E3P – Exomars e ExPeRT) permitindo a Portugal colaborar nos grandes projetos Europeus de Exploração, com contributos tecnológicos, nomeadamente para as missões a Marte;
  3. Reforço do programa de Telecomunicações (ARTES) e Navegação (NAVISP) que permitirá a Portugal continuar a desenvolver aplicações inovadoras com dados espaciais provenientes de satélites de Telecomunicações (Mega Constelações) e do sistema Galileo.
Recomendadas

Revista de imprensa nacional: as notícias que estão a marcar esta quarta-feira

“Sedes quer que escolas escolham professores a partir de uma lista”; “Governo sobe para 10.500 euros por ano fasquia para não pagar IRS em 2024”; “Salários do Estado perdem peso no PIB”.

Topo da Agenda: o que não pode perder nos mercados e na economia esta quarta-feira

O INE divulga hoje as estatísticas de rendas da habitação ao nível local no segundo trimestre do ano, os inquéritos de conjuntura às empresas e aos consumidores deste mês e ainda as estimativas mensais de emprego e desemprego referentes ao mês de agosto. Nos EUA, faz-se inventário ao crude, aos destilados e aos combustíveis.

Cinco milhões para ações de emergência na serra da Estrela até final do ano

O ministro do Ambiente e da Ação Climática, Duarte Cordeiro, disse que o Fundo Ambiental disponibiliza, até ao final do ano, cerca de cinco milhões de euros para ações de emergência.
Comentários