Portuguesa SandSpace é finalista em competição mundial

A ‘app’ que mostra dados sobre ocupação das praias está em votação para tentar conquistar o prémio final da Apps for Good.

Camille Minouflet – Unsplash

As aplicações que mostram a ocupação das praias em tempo real vão ser uma presença obrigatória em muitos smartphones, este Verão. Uma delas é a InfoPraia, desenvolvida pela APA – Agência Portuguesa do Ambiente, que agora passa a ter “companhia”.

A novidade é a SandSpace, criada por cinco jovens portugueses do agrupamento de Escolas Dr. Serafim Leite, em São João da Madeira (Bruno Dylan, Diogo Resende, Jorge Correia e Nuno Castro), que está no grupo de finalistas da competição mundial Apps for Good.

Na SandSpace (que tem a parceria da Agência Portuguesa do Ambiente) podemos ver informação sobre a ocupação de 685 praias portuguesas, incluindo fluviais, Açores e Madeira. Para isso, a app conta com a ajuda dos utilizadores, já que são eles que têm de indicar na app o nível de ocupação.

Depois, o software converte esses dados «num indicador gráfico» com os clássicos sinais verde, amarelo e vermelho, com os significados que todos já conhecemos.

A SandSpace está agora em votação aberta ao público para tentar conquistar o prémio final da Apps for Good – as “urnas” fecham no dia 26 de Junho. Para já, apenas pode ser feito o download para Android, aqui.

PCGuia
Recomendadas

PremiumContrato que prevê bónus milionário da CEO da TAP não é válido

JE revela contrato de Christine Ourmières-Widener: prevê exercício de funções até 2026 e bónus de até três milhões de euros. Mas não chegou a ser ratificado em AG da TAP.

PremiumLeia aqui o Jornal Económico desta semana

Esta sexta-feira está nas bancas de todo o país a edição semanal do Jornal Económico. Leia tudo na plataforma JE Leitor. Aproveite as nossas ofertas para assinar o JE e apoie o jornalismo independente.

Contrato da CEO da TAP: “Não é só falta de retificação, é falta de aprovação”

O advogado Rogério Alves reagiu à notícia avançada pelo Jornal Económico. O contrato de Christine Ourmières-Widener com a TAP não só não foi retificado em AG como não foi aprovado. “Isto politicamente tem um custo”, diz.
Comentários