PRA assessora emissão de obrigações de 15 milhões do Grupo Agris

O prazo da emissão das obrigações do grupo Agris é de quatro anos e estão permitidos os reembolsos parciais a partir da primeira data de pagamento de juros.

Reuters

A PRA – Raposo, Sá Miranda & Associados assessorou a entrada do grupo Agris na Euronext Lisboa, com a emissão de obrigações no montante de 15 milhões de euros.

“O grupo económico Agris opera há mais de 35 anos no mercado português e conta com uma estrutura acionista totalmente nacional”, diz o comunicado.

A sociedade de advogados diz que a Agris é sua cliente há cerca de duas décadas, tendo, esta operação, sido realizada com a coordenação do sócio Pedro Raposo e do Associado Sénior Frederick Oliva, na liderança da equipa de Corporate

O prazo da emissão das obrigações do grupo Agris é de quatro anos e estão permitidos os reembolsos parciais a partir da primeira data de pagamento de juros.

Já a taxa de juro da emissão é indexada à Euribor seis meses, acrescida de um spread de 2,25%.

 

Recomendadas

A nova geração do Direito, das escolas aos escritórios de advogados. Veja a JE Talks

Iniciativa pretende analisar os diferentes tipos de especialização existente no Direito e perceber qual a sua importância para o mercado de trabalho. Esta JE Talks está inserida no caderno especial dedicado ao mesmo tema que acompanhará a edição impressa do JE desta sexta-feira, 24 de junho.

João Massano recandidata-se à liderança do CRL da Ordem dos Advogados

O programa da candidatura de João Massano, designada “Juntos Podemos Mais”, está assente em quatro pilares: dignificar a profissão, melhorar as condições de exercício da advocacia, aproximar a advocacia da sociedade civil e contribuir para uma justiça mais acessível.

“Falar Direito”. “Teletrabalho já devia ter sido disponibilizado há mais tempo na comunidade jurídica”

“O teletrabalho trouxe a toda a gente, e também aos advogados, uma flexibilidade que beneficiou muito os trabalhadores. Possibilidade do teletrabalho já devia ter sido disponibilizada há mais tempo na comunidade jurídica”, esclareceu a advogada Rita Rendeiro, presidente da associação Direito Mental.
Comentários