Preços do petróleo em queda devido à desaceleração da economia chinesa e possível embargo da UE à Rússia

Os preços começaram a cair após a China divulgar dados no sábado, nos quais revela que a atividade industrial na segunda maior economia do mundo contraiu pelo segundo mês consecutivo para o nível mais baixo desde fevereiro de 2020, devido aos confinamentos resultantes do mais recente surto de Covid-19 no país.

Os preços do petróleo estão em queda esta segunda-feira, 2 de maio, devido às preocupações com o fraco crescimento económico na China, o maior importador de petróleo do mundo, superando os temores de um possível embargo da União Europeia (UE) ao petróleo russo, segundo a “Reuters”.

O Brent está a desvalorizar 2,67%, para 104,28 dólares por barril, enquanto o WTI, negociado nos EUA, diminui 3,07%, para 101,48 por barril.

Os preços começaram a cair após a China divulgar dados no sábado, nos quais revela que a atividade industrial na segunda maior economia do mundo contraiu pelo segundo mês consecutivo para o nível mais baixo desde fevereiro de 2020, devido aos confinamentos resultantes do mais recente surto de Covid-19 no país.

“Uma desaceleração nessa medida, quando a China já está a sofrer com um colapso imobiliário e se preocupa com o seu aumento da regulamentação, é potencialmente um grande problema para os mercados de commodities e a economia mundial”, disse Tobin Gorey, analista de commodities do Commonwealth Bank.

Do lado da oferta, a National Oil Corp (NOC) da Líbia disse no domingo que retomaria temporariamente as operações no terminal petrolífero de Zueitina para reduzir os stocks em tanques de armazenamento para evitar um “desastre ambiental iminente” no porto.

No final de abril, a NOC declarou “motivos de força maior” em alguns carregamentos em Zueitina, após manifestantes forçarem várias instalações petrolíferas a suspender as operações.

Limitar a desvantagem dos preços do petróleo é a tendência da UE de proibir as importações de petróleo russo até o final do ano, disseram dois diplomatas da UE, após reuniões entre a Comissão Europeia e os Estados-membros da UE no fim de semana.

Cerca de metade dos 4,7 milhões de barris por dia (bpd) das exportações de petróleo da Rússia vão para a UE, correspondente a um quarto das importações de petróleo da UE em 2020.

“Na ausência de um embargo de petróleo total imediato da UE, é necessário eliminar as restrições de mobilidade na China para tirar o petróleo da sua faixa atual”, disse Stephen Innes, sócio-gestor da SPI Asset Management.

Recomendadas

PremiumNovobanco tem como meta financiar 600 milhões de euros de dívida “verde” até 2024

A meta faz parte do Plano Estratégico do banco para 2024 e o Novobanco já tomou firme duas emissões de dívida da Sonae SGPS e Modelo Continente indexadas a indicadores ESG.

Govcoins são o futuro mas ameaçam negócio da banca

As moedas digitais dos bancos centrais podem trazer mais segurança nos pagamentos, mas também criar um problema de inclusão. E podem colocar em causa a viabilidade do sector financeiro.

Wall Street termina semana apenas com Nasdaq a negociar em terreno negativo

O aumento das taxas de juros , a alta inflação, a guerra na Ucrânia e a desaceleração da economia chinesa castigaram as ações e levantaram preocupações sobre uma possível recessão nos EUA.
Comentários