Presidenciais de 2018 na Venezuela mostram inquietações da oposição

O antigo candidato da oposição Henrique Capriles não gostou da disponibilidade de Lorenzo Mendoza – um dos homens mais ricos do país – para se candidatar contra Maduro.

Miraflores Palace/Handout via REUTERS

A oposição venezuelana ao regime de Nicolás Maduro tem vindo a dar mostras de algum desacerto nos tempos mais recentes. O último caso deu-se já esta semana, quando o empresário Lorenzo Mendoza deu mostras de colocar a hipótese de organizar uma candidatura de oposição à de Nicolás Maduro – que, tudo indica, deverá avançar para um segundo mandato.

Foi com alguma surpresa que a disponibilidade de Mondoza foi recebida com frieza e até com algum azedume por parte de Henrique Capriles – candidato da oposição em 2013, que conseguiu agregar 49,12% dos votos, apenas um pouco menos que o vitorioso Maduro (50,61%).

Quando as intenções de Mendoza foram conhecidas, Henrique Capriles afirmou publicamente que “se o estão [a Mendoza] a auscultar, não é com certeza com boas intenções”. E disse ainda, citado por vários jornais venezuelanos, que “é absolutamente válido nesta situação de crise que alguém com vocação pela defesa do país possa avançar; mas é preciso perceber que dirigir um país não é o mesmo que dirigir uma empresa”.

De algum modo, disseram de imediato alguns comentadores, Henrique Capriles parece guardar para si em exclusivo a qualidade de candidato presidencial da oposição – o que pode não ser aceite de bom grado por todas as forças que estão envolvidas na Mesa de Unidade Democrática (MUD).

A questão das presidenciais está novamente em cima da mesa, dado que as eleições municipais que se realizaram no passado fim-de-semana serviam como uma espécie de teste à capacidade de o regime de Nicolás Maduro manter o país sob a sua influência. Os resultados – que foram de clara vitória dos candidatos do governo – são auspiciosos para os socialistas.

Ao contrário, e já de desde antes das eleições municipais, a oposição parece estar à deriva. Desde logo porque vários dos seus principais dirigentes tiveram que se refugiar no estrangeiro, deixando uma espécie de terra de ninguém que alguns, aparentemente, querem ocupar.

E depois porque alguns políticos da oposição passaram-se recentemente para as hostes do governo, deixando um sentimento amargo junto da oposição. De qualquer modo, as eleições ainda não estão marcadas – em 2013, realizaram-se em abril.

Lorenzo Alejandro Mendoza Giménez (Caracas, 5 de outubro de 1965), é um dos homens mais ricos do país, com uma fortuna avaliada em 2,7 mil milhões de dólares. Engenheiro industrial e empresário, presidente da Empresas Polar, é um dos principais produtores de bebidas e alimentos da Venezuela. Graduado numa universidade norte-americana e com uma especialização no MIT, Mendoza, desde que assumiu a presidência do grupo, focou-se no seu crescimento. Atualmente gera mais de seis mil milhões de dólares de volume de negócios, assegura milhares de empregos e estende os seus interesses para a banca, hipermercados, petroquímica e petróleo. É considerado um patrão exemplar, que fornece benefícios aos seus colaboradores bem acima do que é costume na Venezuela.

Recomendadas

Josep Borrell pressiona Israel sobre os palestinianos

O primeiro-ministro israelita Yair Lapid e o chefe de política externa da União desentenderam da reunião do Conselho da União Europeia-Israel, em Bruxelas. Pontos de vista diferentes sobre a Palestina e sobre o Irão ficaram bem evidentes.

Bulgária: eleições longe de resolverem crise política

Acusado de corrupção, o GERB voltou a ganhar as eleições e arrisca manter o país ingovernável. A única forma de ultrapassar o impasse seria um governo de coligação entre os dois maiores partidos, mas isso não parece estar no horizonte.

Indonésia. Polícia sob pressão pelo uso indiscriminado de gás lacrimogéneo

Os desacatos num estádio de futebol resultaram em 125 mortos, 17 dos quais crianças, de acordo com as autoridades. A atuação da polícia gerou o caos e vai contra as indicações da FIFA.
Comentários