Presidenciais: João Ferreira reúne número máximo de assinaturas necessárias para formalizar candidatura

O candidato comunista João Ferreira comprometeu-se a fazer campanha para as eleições presidenciais em “clima sereno de discussão e de confronto de ideias” e recusou contribuir para “despiques estéreis” que não ajudem na mobilização dos eleitores portugueses.  

José Sena Goulão/LUSA

O eurodeputado comunista João Ferreira formalizou esta quinta-feira a candidatura à Presidência da República, com a entrega do número máximo de assinaturas necessárias (15.000) no Tribunal Constitucional. João Ferreira comprometeu-se a fazer campanha em “clima sereno de discussão e de confronto de ideias” e recusou contribuir para “despiques estéreis” que não ajudem a mobilizar os eleitores portugueses.

“Diria que [as 15.000 assinaturas reunidas] são uma expressão do apoio a esta candidatura, que é ela própria uma manifestação de confiança no povo português e uma afirmação de esperança na vida deste país”, referiu João Ferreira, após entregar o número máximo de 15.000 assinaturas permitidas por lei para formalizar uma candidatura à Presidência da República no Tribunal Constitucional, em Lisboa.

O candidato ao Palácio de Belém apoiado pelo Partido Comunista Português (PCP) referiu que tudo fará para que “a campanha se centre na afirmação da visão” que tem sobre o país e “nos valores e objetivos” que entende que devem orientar o mandato do Presidente da República. “Não contribuiremos nem para despiques estéreis nem para nada que não contribua para o esclarecimento e para a mobilização”, garantiu.

João Ferreira salientou ainda que a sua candidatura “contribuirá para um clima sereno de discussão e de confronto de ideias, de visões de projetos para o país, no que toca aos poderes do Presidente da República” e para “abrir um horizonte de esperança neste país”, apesar de o país estar a enfrentar “uma situação difícil, complexa e exigente” devido à crise económica e social causada pela pandemia de Covid-19.

Criticou ainda o atual Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, por não cumprir completamente o “amplo leque de direitos consagrados na Constituição”, como é o caso do direito ao trabalho, direito à saúde e o direito à habitação. “O exercício que tem sido feito pelo exercício dos poderes do Presidente da República não tem contribuído para que seja essa a realidade na vida de todos os portugueses. Algumas vezes, desajudou”, salientou.

João Ferreira foi o primeiro dos nove pré-candidatos anunciados a formalizar a candidatura a Presidente da República. Para formalizar a candidatura a Belém, os candidatos têm de entregar, pelo menos, 7.500 assinaturas no Tribunal Constitucional.

Recomendadas

5 de outubro: Montenegro acusa Governo de degradar ambiente político com casos

Luís Montenegro falava aos jornalistas no final da cerimónia oficial das comemorações do 112.º aniversário da implantação da República em Portugal, na qual o Presidente da República falou dos governos que “tendem quase sempre a ver-se como eternos” e das oposições “quase sempre a exasperarem-se pela espera”, afirmando em seguida que “nada é eterno” e que “a democracia é por natureza o domínio da alternativa, própria ou alheia”.

Primeira-ministra dinamarquesa convoca eleições antecipadas para novembro

O Partido Social Liberal, uma das formações que dá maioria ao Governo social-democrata, tinha ameaçado Frederiksen com uma moção de censura se não convocasse eleições, após apresentar em junho um relatório crítico sobre a gestão feita pelo executivo em relação ao abate de milhões de visons, devido a uma mutação do coronavírus.

Itália. Governo Meloni deverá misturar técnicos e fiéis da líder

O próximo Governo de Itália, chefiado por Giorgia Meloni, deverá combinar figuras de renome técnico, em pastas cruciais para as relações com Bruxelas, e fiéis da futura primeira-ministra, segundo analistas ouvidos pela Lusa.
Comentários