Presidente da República reconhece limitações do Tribunal de Contas para auditar Novo Banco

O PR esclareceu que se referia à auditoria da Deloitte quando apoiou o primeiro-ministro na intenção de apenas desbloquear as verbas para o Novo Banco quando fossem conhecidos estes resultados, uma matéria que gerou alguma mal-estar dentro do Governo, sobretudo junto do então ministro das Finanças, Mário Centeno.

Rui Ochoa / Presidência da República / Lusa

O Presidente da República reconheceu as limitações técnicas do Tribunal de Contas (TdC) para auditar uma instituição financeira, salientando que nunca defendeu esta solução. As declarações foram proferidas em entrevista à SIC esta sexta-feira, a primeira depois do anúncio da recandidatura a Presidente da República (PR).

“Foi uma deliberação tomada por quem a tinha de tomar, não pediram opinião ao PR. Obviamente que o TdC tem, com todo o respeito, limites no que toca a uma matéria tão sofisticada como essa”, disse o Presidente no Jornal da Noite desta sexta-feira.

Questionado sobre o Novo Banco e as auditorias pedidas à Deloitte e ao TdC, Marcelo Rebelo de Sousa lembrou que o tribunal é uma entidade independente sobre a qual não cabe ao Presidente da República (PR) pronunciar-se.

“Não me pronunciei porque entendo que o TdC tem uma forma de intervenção que quero respeitar, é um tribunal”, defendeu-se Marcelo, que acrescentou ainda que um órgão como este é obrigado a “uma sofisticação maior quando se trata de uma instituição bancária” o objeto do seu trabalho.

O PR esclareceu assim que se referia à auditoria da Deloitte quando defendeu a posição do primeiro-ministro sobre a disponibilização de mais verbas para o banco que resultou da queda do antigo Banco Espírito Santo.

“O erro foi esse, porque é que demorou nove meses? Foi esse o meu protesto”, afirmou Marcelo. “Protestei e secundei a posição do primeiro-ministro, sei que o então ministro das Finanças não gostou muito, mas pareceu-me evidente que havia tempo demais, ia-se adiando o prazo”, acrescentou.

Recomendadas

BPI e FCT financiam 20 projetos e nove ideias para o desenvolvimento sustentável no Interior

A edição de 2022 do Programa Promove, uma iniciativa da Fundação “la Caixa”, em colaboração com o BPI e em parceria com a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), concedeu apoios a fundo perdido de perto de 3,6 milhões a um total de 20 projetos e nove ideias destinados a impulsionar o desenvolvimento sustentável de regiões do interior de Portugal.

Tribunal de Contas não afasta cenário de novas injeções de capital no Novobanco

O juiz conselheiro relator do relatório da auditoria do Tribunal de Contas à gestão do Novobanco, José Quelhas, referiu hoje que não está afastado o cenário de novas injeções de dinheiro público no ex-BES.

Novo Banco: Tribunal de Contas atento ao acolhimento das recomendações, diz José Tavares

O presidente do Tribunal de Contas, José Tavares, afirmou hoje que o Tribunal “continuará ativo” em relação ao Novo Banco nomeadamente ao nível da aplicação das recomendações formuladas nas auditorias.
Comentários