Presidente sérvio recusa reconhecer a independência do Kosovo

O presidente sérvio Aleksandar Vucic anunciou que os representantes europeus propuseram um “novo quadro” para o diálogo entre o seu país e o Kosovo. Com um ponto essencial: o reconhecimento da independência do Kosovo por parte da Sérvia.

Antonio Bronic / Reuters

Uma solução imediata e final entre a Sérvia e o Kosovo. É isso que a União Europeia, com o apoio dos Estados Unidos, está a propor à Sérvia e ao Kosovo – países que vivem em clima de forte tensão há mais de um mês.

“Essencialmente, um acordo significaria o reconhecimento do Kosovo”, disse o presidente sérvio Aleksandar Vicic, citado pelos jornais do país. O presidente acrescentou que os representantes europeus transmitiram a posição do Ocidente segundo a qual a Europa não precisa de novos conflitos e que é importante chegar a uma solução o mais rápido possível.

“Não haverá reconhecimento do Kosovo! Estamos sempre prontos para soluções de compromisso, de acordo com a Constituição da República da Sérvia e a Resolução 1244 do Conselho de Segurança das Nações Unidas”, escreveu Vucic na sua conta no Instagram.

A imposição da União – que surge três dias depois de uma visita do presidente da Turquia à Sérvia – não parece estar a criar grande adesão no país. Tanto mais que, segundo o presidente sérvio, a União quer que o país esclareça sem reservas se quer ou não manter a ligação estreita com a Rússia.

O presidente afirmou que, apesar de tudo, a Sérvia continuará as negociações e a manutenção da paz. “A situação é difícil e peço a todos que o entendam. Não queremos conflitos”, concluiu Vucic.

As palavras do presidente surgem depois de uma reunião do Conselho de Segurança Nacional da Sérvia, onde foi discutida a situação no Kosovo, mas também a segurança cibernética e o sector da energia.

O Conselho, presidido pelo chefe de Estado, reuniu com o representante da União Europeia para o diálogo entre a Sérvia e o Kosovo Miroslav Lajcak, o conselheiro do chanceler da Alemanha Jens Plettner e o enviado do presidente de França Emmanuel Bonn.

Por seu lado, o primeiro-ministro do Kosovo, Aljbin Kurti, reiterou que o objetivo do diálogo com Belgrado deve ser chegar a um acordo juridicamente vinculativo baseado no reconhecimento mútuo. “O Kosovo mostrou a sua vontade de se engajar num diálogo de princípios”, disse Kurti.

O presidente do Parlamento sérvio, Vladimir Orlic, anunciou entretanto que convocou uma sessão especial do parlamento para terça-feira, 13 de setembro, na qual será divulgado o relatório sobre o processo de negociação com Pristina, capital do Kosovo, de 15 de junho de 2021 a 1 de setembro de 2022.

Recorde-se que esta semana o presidente francês Emmanuel Macron e o chanceler alemão Olaf Scholz enviaram uma carta conjunta a Vucic na qual afirmam que a plena normalização das relações entre Belgrado e Pristina é essencial para os Balcãs Ocidentais.

“Apelamos para que mostre a máxima determinação e disposição para tomar decisões difíceis que levem ao progresso no diálogo entre Kosovo e Sérvia. As tensões recentes mostraram que são urgentemente necessários passos construtivos”, diz a carta.

Recomendadas

Suécia vai à Turquia debater a extradição dos dissidentes

Tema central para que a Turquia levante qualquer restrição à entrada da Suécia e da Finlândia na NATO, Ancara tem-se queixado de que os países nórdicos fazem pouco para cumprir o acordado. O no governo sueco será certamente mais recetivo.

Vice-ministro talibã quer as meninas afegãs de regresso à escola

Sher Mohammad Abbas Stanikzai parece estar em dissonância face à esmagadora maioria do governo, que admite abrir as escolas ao sexo feminino mas nunca chegou a fazê-lo.

Dezenas de milhares de russos fogem para a Geórgia, Cazaquistão e Arménia

Por não exigirem visto para cidadãos russos, a Geórgia e a Arménia têm sido um destino importante para os russos em fuga desde o início da guerra iniciada em 24 de fevereiro.
Comentários