Procurador especial Robert Mueller diz que os russos propuseram à campanha de Trump uma “sinergia política”

Um dirigente russo propôs em novembro de 2015 à campanha eleitoral de Donald Trump uma “sinergia política”, indica um documento apresentado em tribunal pelo procurador especial Robert Mueller, na sexta-feira. Robert Mueller está a investigar um eventual conluio entre Moscovo e a campanha eleitoral do então candidato presidencial republicano, Donald Trump.

Em sete páginas, o procurador especial e ex-diretor da polícia federal (FBI, na sigla em inglês), sublinhou que o ex-advogado pessoal de Trump, Michael Cohen, indicou que esteve em contacto com um russo, em novembro de 2015, afirmando ser “uma pessoa de confiança” do Governo de Moscovo, oferecendo à campanha de Trump “uma sinergia política” e “uma sinergia a um nível governamental”.

Estas novas revelações ocorrem quando Trump não para de querer desacreditar o inquérito liderado por Mueller, considerando que a investigação já durou muito tempo e que não vai revelar “qualquer conluio” entre a sua campanha e os russos.

Recomendadas

Irão: Guarda Revolucionária ataca grupos curdos no Iraque

A poderosa Guarda Revolucionária do Irão desencadeou hoje uma onda de ataques com ‘drones’ e artilharia no norte do Iraque, visando o que Teerão diz serem bases de separatistas curdos iranianos, indicou agência noticiosa semioficial Tasnim.

António Guterres pede fim da “era da chantagem nuclear” e apela a “recuo”

O secretário-geral da ONU, António Guterres, apelou hoje ao fim da “era da chantagem nuclear”, afirmando que o uso de armas nucleares levaria a um “armageddon humanitário”, tornando necessário um “recuo” face às atuais tensões.

Ucrânia. Reino Unido sanciona organizadores de “referendos fraudulentos”

O Reino Unido anunciou hoje sanções contra 33 indivíduos ligados a “referendos fraudulentos” sobre a integração na Rússia de regiões da Ucrânia sob ocupação russa.
Comentários