PS Madeira quer fim do monopólio no setor da banana

Os socialistas pretendem que haja um maior incentivo e reconhecimento de mais organizações e agrupamento de produtores de banana, para assim poderem ver a sua posição na cadeia de valor fortificada.

O Partido Socialista (PS) quer colocar fim ao monopólio no setor da banana na Região Autónoma da Madeira, através da diminuição do número mínimo de produtores e do valor mínimo da produção comercializada neste setor.

Numa proposta entregue na Assembleia Legislativa da Madeira o PS considera os requisitos na região autónoma para reconhecer e apoiar organizações e agrupamentos de produtores “demasiado exagerados e desproporcionados”, tendo em conta o número total de produtores de banana que existe na Madeira

Tal faz com que o que a Empresa de Gestão do Setor da Banana, sociedade comercial por quotas que incorpora equipamentos e trabalhadores da Cooperativa Agrícola dos Produtores de Fruta e a Cooperativa de Produtos de Banana, seja a única elegível para os apoios provenientes da União Europeia.

De referir que, na qualidade de organizações de produtores, a  Cooperativa Agrícola dos Produtores de Fruta da Madeira representava 55% dos produtos que recebiam apoios, comunitários e do Governo Regional, e a Cooperativa de Produtos de Banana da Madeira representava 45% desses apoios.

“Na prática, é inexequível a criação de outras entidades que reúnam todos os requisitos exigidos”, afirmam os socialistas, mas tal “não impede de que existam múltiplas organizações ou associações de produtores”. De facto, se tal se verificasse, o princípio da “Liberdade de Associação”, estabelecido pela União Europeia, estaria em causa, lembra o PS.

Assim, o PS pretende que haja um maior incentivo e reconhecimento de mais organizações e agrupamento de produtores de banana, para assim poderem ver a sua posição na cadeia de valor fortificada.

Recomendadas

OE2022: Segurança Social regista excedente de 3.358 milhões de euros até outubro

A receita da Segurança Social aumentou em 9,1% e atingiu os 28.387,7 milhões de euros até outubro, enquanto a despesa caiu 0,5% para 25.030,1 milhões de euros, de acordo com a síntese divulgada hoje pela Direção-Geral do Orçamento (DGO).

PremiumBCE e Fed avaliam peso da subida de juros e ritmo pode abrandar nas próximas reuniões

As atas das mais recentes reuniões de política monetária na zona euro e EUA mostram uma preocupação de ambos os bancos centrais com o abrandamento da economia, dando esperanças de subidas menos expressivas dos juros nos próximos meses, embora os sinais neste sentido sejam mais fortes do outro lado do Atlântico.

OE2022: Pagamentos em atraso sobem para 978,7 milhões de euros até outubro

“No final de outubro os pagamentos em atraso das entidades públicas ascenderam a 978,7 milhões de euros, o que representa um aumento de 199,6 milhões de euros relativamente ao período homólogo e um aumento de 74,6 milhões de euros face ao final do mês anterior”, pode ler-se no documento hoje divulgado pela Direção-Geral do Orçamento (DGO).
Comentários