PremiumPS quer alterar lei laboral sem “fundamentalismo da esquerda” nem “liberalismo de direita”

Aval do PS à proposta do PCP para rever leis do trabalho indignou patrões. Socialistas vão propor alterações na especialidade e garantem “moderação”.

As alterações à lei laboral aprovadas no Parlamento abriram um novo diferendo entre o Governo e as confederações patronais. Os patrões acusam o Executivo socialista de ignorar os acordos de concertação social e de querer alterar a lei no Parlamento, através do PS, com propostas que nunca foram debatidas com os parceiros sociais. Mas o partido do Governo entende que o Parlamento tem competência para aprovar mexidas no Código de Trabalho e garante ao Jornal Económico (JE) que irá propor alterações, na especialidade, à proposta comunista que aprovou, com vista a contornar “propostas fundamentalistas da esquerda” e evitar “propostas liberais da direita”.

Em causa está a aprovação, na generalidade, de um projeto de lei do PCP que visa combater a precariedade laboral e reforçar os direitos dos trabalhadores. O diploma recebeu os votos contra do PSD, CDS-PP e Iniciativa Liberal, e acolheu os votos favoráveis do Bloco de Esquerda, PCP, PAN, PEV e das duas deputadas não-inscritas, aos quais se juntou o aval do PS.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

PremiumProjetos imobiliários em Lisboa esperam anos por autorizações

Há projetos que chegam a demorar cinco anos, ou mais, a serem licenciados pela autarquia. Promotores desesperados com atrasos exigem sistema mais rápido. Cada ano de atraso encarece, em média, cada casa em 50 mil euros.

PremiumInteligência artificial obriga a regulamentação “ativa e poderosa”

David Rowan alerta para a necessidade urgente de um debate público sobre as questões éticas relacionadas com a IA. E defende que a riqueza gerada pela automação terá de ser melhor distribuída, de maneira a manter a coesão social e a preservar o próprio capitalismo.

Premium“Os alunos são a razão maior de ser professor”

David Justino, professor catedrático do Departamento de Sociologia da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade NOVA de Lisboa, despediu-se da academia com uma derradeira aula.
Comentários