PSD quer audição urgente de Mário Centeno no Parlamento devido a alteração nas PPP

Deputados sociais-democratas da Comissão de Orçamento e Finanças querem ouvir ministro das Finanças por estarem preocupados com “diminuição da transparência” na constituição de parcerias público-privadas.

© Jornal Económico/ Fotografia: Cristina Bernardo

O grupo parlamentar do PSD apresentou um requerimento da audição urgente do ministro de Estado e das Finanças, Mário Centeno, na Comissão de Orçamento e Finanças, para esclarecer a alteração ao Código de Contratos Públicos, publicada na quarta-feira, que os deputados sociais-democratas consideram parecer “evidenciar uma diminuição da transparência e um aumento da discricionariedade na constituição das parcerias público-privadas, dificultando o respetivo escrutínio público”.

Segundo o requerimento assinado pelos deputados do PSD com assento nessa comissão parlamentar, “acresce que aparenta existir uma redução da intervenção e do poder de decisão do ministro das Finanças em todo o processo da constituição de parcerias, face à legislação que vigorou até ao momento”, o que os sociais-democratas dizem constituir “também motivo de apreensão”.

As alterações ao Decreto-Lei n.º 111/2012, que disciplina a intervenção do Estado na definição, concepção, preparação, concurso, adjudicação, alteração, fiscalização e acompanhamento global das parceiras público-privadas, implicam que deixe de ter tida em conta a análise de custo-benefício nas parcerias público-privadas como requisito inicial. Algo que já provocou reações críticas do CDS-PP e do Bloco de Esquerda, que pretendem a avaliação parlamentar do diploma.

 

Recomendadas

Cotrim de Figueiredo diz que a única certeza na TAP é a perda de dinheiro

O líder da IL comentava as declarações do primeiro-ministro, que disse, na quinta-feira, esperar que a privatização da TAP ocorra nos próximos doze meses.

PCP defende aumento do salário mínimo nacional para 850 euros em janeiro

O secretário-geral do PCP acusou o Governo de querer “retomar todos os caminhos da política de direita, fazer comprimir ainda mais os salários, facilitar a exploração, abrir espaço para os negócios privados na saúde e na educação, condicionando ou justificando as suas opções com as orientações e imposições da União Europeia e do euro”.

Associação Zero dá parecer negativo a mais voos noturnos em Lisboa

No início de agosto foi anunciado pelo Governo a intenção de aprovar uma portaria que permita anular temporariamente a parte da lei que estabelece restrições ao tráfego aéreo noturno entre as 0h e as 6h, que a Navegação Aérea (NAV) quer que seja entre o dia 18 e 29 de novembro, para implementar um novo sistema de controlo.
Comentários