Madeira: PSD quer uma plataforma digital de monotorização de apoios sociais

O PSD defende que uma melhor monotorização, feita a nível digital com esta plataforma, irá evitar duplicações nas cedências de apoios sociais e, assim, garantir uma maior abrangência na atribuição dos mesmos.

A deputada do PSD, Rubina Leal, apresentou na Assembleia Legislativa da Madeira, uma proposta de decreto legislativo regional com vista à criação de uma plataforma digital que permita a monotorização dos apoios sociais da Região Autónoma da Madeira.

Na reunião plenária da Assembleia da Madeira desta quarta-feira, dia 20 de abril, a deputada social-democrata referiu que uma “regularização de um registo dos apoios atribuídos que seja capaz de promover uma gestão eficaz dos recursos públicos permitindo assim uma monotorização dos apoios concedidos”, permite que estes apoios possam ter “uma maior abrangência e amplitude para a população”, por forma a salvaguardar os princípios da coesão social e o combate às desigualdades sociais.

Quanto à plataforma digital em si, a deputada reforça que a proteção de dados é algo tido em conta, com o tratamento de dados a ser feito “em total segurança e confidencialidade”.

Rubina Leal salientou que a importância desta ação é tão mais evidente tendo em conta os índices de pobreza “estrutural” no país, referindo ainda que no país 27% da população entre 2016 e 2019 passou por uma situação de pobreza, e também apontando para as dificuldades acrescidas com o aumento da inflação. Neste paradigma, “é inequívoco que os apoios sociais terão de continuar a existir e serão necessariamente reforçados”, considerando que a plataforma será “um primeiro passo” nesse sentido.

A deputada destacou, neste sentido os programas de apoio social em vigor na região, tais como o estudante insular, o kit bebé, os apoios a famílias com crianças na cresce, entre outros.

 

 

Recomendadas

Vendas de alojamentos aumentaram 33,8% na Madeira no primeiro trimestre de 2022

O valor acumulado dos alojamentos transacionados no primeiro trimestre de 2022 foi de 204,6 milhões de euros, correspondendo a mais 12,3% que no trimestre precedente (que faturou 182,2 milhões de euros) e mais 67,2% que no trimestre homólogo (cujas vendas geraram 122,3 milhões de euros).

Escola Agrícola da Madeira abre 13 cursos de formação até final do ano

Os cursos irão realizar-se na Madeira e no Porto Santo, com um total de 395 horas de formação, em contexto teórico e prático e em horário laboral. Nas duas ilhas, os cursos iniciam-se em setembro.

ABAMA acusa Miguel Albuquerque de “falta de caráter e má-fé” por afirmar que produtores de banana são “muito bem” pagos

A ABAMA repudia ainda o facto da Gesba receber ajuda comunitária que a própria empresa gere, fiscaliza e atribui, sem fiscalização de uma “identidade externa”. Para a associação, a comercialização da banana deveria ser feita por organizações ou agrupamentos de agricultores, e não por uma empresa pública. “Será que não há conflito de interesses?”, questiona.
Comentários